Início Colunistas Construção Civil

Construção Civil

Tempo de leitura: < 1 minuto

É um dos setores que segura a economia nestes tempos bicudos. Cimento, por exemplo, cresceu 25% em junho. O setor como um todo está com 10% de crescimento no ano, comparado com 2019. Nesta edição do seu JI algumas empresas e profissionais estão passando este recado para todos nós.

Jornal Integração

A exemplo de muitos, também nós estamos afetados pela crise do corona. Desde março estamos com apenas uma edição por semana e ainda assim com o número de páginas reduzido. Estamos atentos e fazendo o máximo para que atravessemos essa fase com segurança. Neste sentido peço a compreensão dos assinantes, anunciantes e amigos. A previsão de calmaria em relação ao vírus, infelizmente é só para o ano que vem, após a vacina. Até lá é um salve-se quem puder.

Firmes e fortes

Nós (o JI), com a equipe de jornalismo estaremos firmes e fortes, uma vez por semana aqui no impresso e 24h no digital. Temos cumprido a nossa função de bem informar Canela e Gramado. As matérias relacionados ao Covid-19 estão livres para acesso de todos, independente de assinatura e também temos a rádio do Jornal Integração onde todas as manhãs atualizamos tudo, das 7 às 11 horas. Para ouvir é só acessar www.leiafacil.com.br, site que está novinho em folha, todo renovado.

Trabalhando dá!

Aparentemente chegaram os casos de vez para a nossa região, bem como era esperado, junto com o frio e umidade. E dizer que estamos com o comércio fechado desde março! A doença, como temos visto, é difícil de enfrentar. Mas o vírus comunista chinês está fazendo seu mais nefasto efeito em razão da economia. As famílias mais pobres é que pagam o preço mais alto. Sempre digo que trabalhando dá, mas estamos todos este tempo sem poder produzir. Então façamos o cálculo.

Faltam 153 dias

A pandemia centraliza os assuntos, mas não precisamos esquecer as coisas boas. Sabe aquela experiência que o povo gramadense fez na eleição passada? Está terminando. Faltam só mais 153 dias para colocar a foto do Fedoca em uma galeria em que estará sozinho: pior prefeito de Gramado.

Sucessão

Bom para o próximo prefeito. Como o título de pior prefeito já está reservado, mesmo encontrando terra arrasada, não corre este risco. Para saber quem terá essa difícil missão de reconstruir Gramado, restam 107 dias. Lembrando que a eleição será dia 15 de novembro. Quem será que vai manchar a biografia com a segunda pior administração: Nestor, com dois mandatos excelentes no curriculum ou o jovem Evandro Moschem? Ressalvando desde já que em caso de crise generalizada como vai ser a do setor público nos próximos anos, há de se reconhecer. Não é o caso do Fedoca que teve três anos inteiros para mostrar a que veio e não fez isso, e dava, só olhar para Canela o que evoluiu neste tempo. Evandro ainda não lançou sua pré-candidatura, mas não deve passar de uma semana para isso. Fedoca não será candidato, não acredito que queira passar pelo vexame de fazer 7% dos votos, apenas. Só se fosse para tirar seu vice do páreo, dividindo os votos e dando a eleição no colo do Nestor.

Câmara de vereadores

Esteve aqui no JI ontem pela manhã a presidente da Câmara de Vereadores de Gramado, Rosi Ecker Schmitt. Veio para prestar contas das principais ações do seu mandato. Tempos desafiadores, mas com certeza ela conduz muito bem o nosso Legislativo. Quem quiser ouvir é só visitar o podcast no site www.leiafacil.com.

Sucessão nas câmaras

Como nesta eleição não haverá mais coligações para a Câmara fica a curiosidade sobre quantos partidos restarão com mandatos a partir de 2021. Em Gramado, PP e MDB deverão arrebanhar o maior número de cadeiras, 5 para um e 4 para o outro. Além destes, porém, mais dois partidos têm chances de eleger alguém e diminuir as vagas dos dois gigantes. O PSDB do Jorge Drumm, Celso Fioreze, Gilberto Tomasini, Fábio Berti, Andreia Rech, entre outros e Republicanos da Manu da Costa, que também promete vir com nominata completa (14 concorrentes). O PT que tem um vereador hoje, o Professor Daniel, poderia surpreender e também eleger um dos 8 nomes que disponibilizará, mas com um pouco menos de chances para isso. Na eleição passada concorreu coligado com o PDT (que elegeu o prefeito Fedoca) o PCdoB, PV, PSDC, PHS, PPS, PSDC e PROS para conquistar a cadeira. O PP que tem cinco na atual legislatura vai perder dois destes, Luia Barbacovi e Dr. Ubiratã, que não mais concorrerão e terá de se superar para repor estas vagas com os seus candidatos. 

Estrada Serra Grande

Agora tem até decisão judicial pela reforma da ERS 373, da Serra Grande. Ainda assim, para não criar uma falsa expectativa aos estimados leitores desta região, aviso que pode demorar. A decisão é de primeiro grau e por isso o Estado pode recorrer e empurrar o assunto para a eternidade. Por outro lado há possibilidade de a prefeitura fazer um trecho, mas, diante da nova realidade financeira da prefeitura de Gramado, é melhor esperar para ver.

51 anos

Ontem completei 51 anos de vida. De repente o Faceboock me mandou uma mensagem, dizendo que havia 140 mensagens. Começou as cinco e meia da manhã e passou o dia todo. Como é bom fazer aniversário! Obrigado a todos queridos amigos e conhecidos pela lembrança. Bola para frente que tem mais 51 pela frente…

Viver ou morrer

Viver ou morrer é um desígnio de Deus. Nós fazemos o que podemos para nos manter vivos, mas quem decide é Ele, que também é quem nos deu a vida. Há famílias inteiras que partem em segundos, por acidente ou doença. Como estamos vendo muitos não resistem ao coronavírus. A maioria dos falecidos vinha enfrentando problemas de saúde. E, alguns, mesmo saudáveis não resistem. Por que isso? Este é o mistério. O que aconteceu com a família Padilha, do Xico, que além dele partiram seus pais e dois irmãos? Só quem é muito espiritualizado para entender algo assim. Eles devem ser muito importantes para Deus e fazem parte de um plano muito legal no Céu. Só pode ser!

Doenças crônicas

Um estudo feito pela secretaria de saúde de Porto Alegre, publicado pela Zero Hora de ontem, dá conta que nove de cada dez mortos, dados como sendo da Covid-19, tinham doenças crônicas. O recorte foi feito considerando os 292 moradores da capital mortos pelo coronavírus desde o início da pandemia até 27 de julho. Vejam quadro:

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

error: Conteúdo protegido