Início Colunistas Coluna do Webinha Voltamos, sem assunto de pandemia

Voltamos, sem assunto de pandemia

Tempo de leitura: < 1 minuto

Neste reinício, desejo de plano fazer um trato com os leitores, que há anos acompanham estes escritos neste privilegiado espaço: Escrever o mínimo possível sobre coronavírus, pandemia.

Quando iniciou no Brasil todo este barulho, no final do mês de fevereiro não se imaginava a sua extensão. Esta doença que virou o mundo de cabeça para baixo, destruiu economias, embretou a ciência e abreviou vidas humanas. Não lembro de em outra oportunidade desta já não tão curta vida, ter visto e ouvido tanta desinformação e tanto achismo dito com ares de superioridade. Das nossas autoridades tentando tirar proveito político, então nem se fala. Um verdadeiro teatro. Neste contexto não tem mais nada de novo a acrescentar e independente do peso da sobrecarga emocional que estamos submetidos resta esperar passar e pronto. Cabe um desejo pessoal: quando tudo isto voltar ao normal ou a um novo normal como já se diz equando o cumprimento e o abraço voltarem, que os seres humanos saiam desta crise melhor do que entraram. Acredito ser pouco o pedido. E sigamos com os temas e pautas do nosso município e região. Mortes, tristezas e palpites, vamos deixar para a rede globo noticiar.

Rápidas e selecionadas

  • Preciso reiterar o meu pouco apreço para com o inverno, representados pelos componentes tradicionais como frio intenso gelo, neve. Nem a glamourizada neve que mostrou o nariz no último final de semana me cativa. Aliás, sempre soube que os extremos devem ser evitados. Nem muito frio nem muito calor. Reconheço que o inverno/frio foi transformado por aqui em poderoso produto turístico, fato que precisa ser respeitado. Fosse possível e dependesse só de mim, eliminaria o inverno do calendário e o ano passaria a ter três estações, com características de um outono mesclado com primavera.Que tal a minha solução?
  • Seguem três nomes novos (nunca concorreram) de pré-candidatos a vereador pelo MDB nas próximas eleições.Silvana de Souza, Carlos Arthur Pacheco, Maicon Linck (casas vacariense).
  • Todos que acompanham a atividade política com seriedade devem ter sentido alguma simpatia pelo partido político chamado de NOVO, existente há dois ou três anos. Cheguei a avaliar que em nosso município houvesse campo para se desenvolver, pois notara o assanhamento de uma juventude com perfil em se engajar nele para fazer política.Porém não decolou, perdeu força e não aproveitou o momento de mudanças no país para se consolidar. Em Canela realizou somente 13 filiações. Ademais fazer partido requer idealismo e muita mão de obra, aos moldes do que fez o grande político, Ernesto Comellate, por toda vida com invulgar competência.
  • O Jornal Integração no Dia do Colono fez um caderno especial e entrevistou trabalhadores do nosso interior. Da sua leitura chamou-me a atenção a franqueza do casal EliandroLivi e MarliseSchmittz ao dizerem que eram felizes na sua atividade, que tinham orgulho em exercê-la e que estavam ganhando dinheiro. Isto mesmo ganhando dinheiro! Belisquei-me e reli a reportagem, sabem por quê? Porque é pouco usual este comportamento franco e honesto. Este reconhecimento. Prefere-se a hipocrisia, a dissimilação, como se feio fosse ir bem na vida, trabalhando. Tirei o meu chapéu.
  • Vamos ser justos, o futebol profissional evoluiu muito dentro e fora dos gramados. Todavia o jogo em si se tornou exageradamente pragmático, mecânico, deixando pouco espaço para o espetáculo, para a beleza plástica para a habilidade do atleta. Aquela jogada de trivela, executada com maestria por um jogador do Esportivo no jogo que o Grêmio ganhou por 4×0 na semi-final do Gauchão, para mim foi uma consagração e me deixou esperançoso de que o belo e o encanto não estão totalmente proibidos.
  • Nesta quinta-feira (27), completaram-se 13 anos do falecimento do ex-vereador João Maria da Silva, o Florindo, aos 68 anos. E amanhã, sábado (29) completam-se 23 anos do falecimento de Edwino Otto Seibt, aos 82 anos de idade. Atuou na política,líder comunitário, fundou o terno de Reis da família Seibt.
  • Quando se sabe que um jogador reserva da dupla Gre-Nal tem salário equivalente a todo o plantel de um clube do nosso interior, esperar o que desta final do Gauchãocom a participação do Caxias. A diferença é muito grande.Discrepânte. Só milagre de santo forte.
  • Adão Jaudir da Silva, o Jau, foi um cidadão e um dos mais operosos esportistas que tivemos. Neste dia 31 completam-se 5 anos do seu falecimento, aos 73 de idade.

“Quem bebe por desgosto é um cretino: só se deve beber por gosto”

Mario Quintana

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

error: Conteúdo protegido