Início Política Gramado e Canela "As pessoas e os problemas não serão mais invisíveis aos olhos do...

“As pessoas e os problemas não serão mais invisíveis aos olhos do poder público”

Tempo de leitura: < 1 minuto

CANELA –O lado social está intimamente ligado ao desenvolvimento, cuidar das pessoas é cuidar do futuro e o candidato Gilberto Tegner (PDT), pretende atuar para combater a proliferação de habitações irregulares, bem como proporcionar atendimento, amparo e envolvimentoaos grupos sociais mais vulneráveis. Confira os principais pontos da entrevista sobre Habitação e Assistência Social:

1 – Quais seus projetos para a área da habitação social?

As gestões em Canela, e já fazem muitos anos, vem negligenciando esta questão, pois muitos tem medo de falar em habitação social para não serem taxados de populistas. Pois bem, de tanto jogar esta questão para baixo do tapete, assistimos passivamente a formação de um cinturão de sub-habitações em nossa periferia e não podemos mais conviver com este descaso. Vamos buscar recursos junto ao governo federal para edificações, dentro de programas já existentes, bem como parceirizarmos com a iniciativa privada para lotes de interesse social. A saída digna deste problema é ofertar espaços legalizados para estas pessoas, e sempre pelo mecanismo da VENDA, em condições que a família possa pagar e dentro de critérios sociais que possam ser fiscalizados pela sociedade, para evitar aproveitadores.

2 – Qual seu posicionamento com relação aos logradouros ocupados de forma irregular?

Temos situações diferentes: Áreas particulares loteadas irregularmente, áreas particulares invadidas, áreas públicas loteadas irregularmente e áreas públicas invadidas. A cada caso temos que buscar os mecanismos legais que possibilitem a resolução do caso, que estão previstas no REURBmas temos que ver se estas áreas, mesmo passíveis de regularização podem ser preparadas para que aquelas pessoas possam ali permanecer em condições dignas. Além disto temos que ter uma postura muito rígida no serviço de fiscalização, para evitar novos casos, pois foi por afrouxar a fiscalização que este quadro se formou, com pelo menos 7 áreas nesta situação, e tratar quem vende estes “lotes” como criminoso, pois mutas pessoas que me procuraram possuem contratos de compra e venda, ou seja, foram logradas por alguém,premidas pela necessidade de ter um teto. Ninguém merece morar naquelas condições e nós lutaremos muito para mudar isto e evitar que os casos se repitam.

3 – E acerca dos loteamentos já consolidados, mas que ainda estão sem regularização fundiária?

Vamos definir uma equipe que entenda deste assunto, que se dedique exclusivamente a RESOLVER e que não fique simplesmente emplacando as casas e gerando falsas expectativas aos moradores. Existem meios legais e vamos utilizá-los para que estas pessoas possam além de pagar o IPTU, que algumas já pagam, ter as suas escrituras.

4 – Como pode ser resolvida a questão que envolve o Loteamento Adão Miroti? Bem como os demais com problemática semelhante?

Pois bem, nós não vamos mais conviver com a situação daquelas pessoas, tomando água contaminada e convivendo com “gambiarras” na energia elétrica, e buscaremos resolver as questões de imediato, por se tratar de um assunto também de saúde. Havendo meios legais de propiciar a permanência ali, teremos uma situação, e se não houver possibilidades disto, buscaremos a relocação para outro local, salientando sempre que nada será “dado” mas vendido para estas famílias;

5 – E com relação ao projeto do Loteamento Renascer? Será dado sequência?

Com certeza, pois já nos comprometemos a dar sequência a qualquer obra ou projeto iniciado nesta gestão. Apenas faço a ressalva de que teremos critérios técnicos definidos de forma clara para a escolha destas famílias, para que todos possam fiscalizar, evitando favorecimentos indevidos.

6 – Quais os principais projetos que pretende desenvolver na área social?

A Secretaria de Assistência Social terá o perfil da promoção do ser humano e não apenas a de assisitir ou tentar minorar as carências. É preciso atender este público em rede, envolvendo assitência, saúde e educação, e definindo políticas públicas que não mais dependam da visão de quem estiver a frente da pasta. Temos que criar condições para que as famílias saiam desta situação de dependência e vislumbrem perspectivas de futuro, pois ao criarem seus filhos neste modelo, o ciclo se repete. Temos que mostrar que muito mais digno do que ganhar o “ranchinho” é se qualificar, aproveitar oportunidades e poder adquirir este “ranchinho”. A nossa política de assistência social vai buscar promover a dignidade do ser humano, justamente para que ele não mais dependa da caridade do poder público.

7 – De que forma pretende ajudar as mulheres em situação de violência doméstica?

O poder público não pode achar que conseguirá dar todas as respostas sozinho. É preciso sabedoria e articulação para buscar parceiros. Existe um projeto das igrejas evangélicas que trata da casa da mulher, justamente para este tipo de caso. Nós vamos buscar conhecer, ajudar e parceirizar se for o caso. Talvez alguém pense que este assunto não tem a ver com o poder público. Tem sim, pois além da mulher envolve crianças e todo um contexto social. Buscaremos através da Sec. de Assistência, dar todo o suporte a que esta família não se esfacele ainda mais, e integrar todos os serviços (saúde, segurança, jurídico) para um diálogo aberto com a sociedade, evitando que estes casos virem uma triste rotina na cidade

8 – Algo reservado para a melhor idade?

Vamos definir uma política de atendimento a este público, novamente com a ideia de um atendimento em rede (saúde, assistência), priorizando atendimentos e dando respostas mais rápidas; Vamos dialogar com alguns clubes de terceira idade que promovam ações de lazer e definir como apoiá-los; Além disto, estamos propondo a criação da “casa dos avós”, que seria uma espécie de creche para a terceira idade, onde estas pessoas passariam o dia, com serviços de psicólogo, enfermeiro, educador físico, e também fazendo pequenos trabalhos (aqueles em que isto for possível) e integrando, em alguns casos específicos (hortas, ténicas domésticas, etc) com as escolas, propiciando uma convivência entre estes dois públicos, o que seria fantástico.

9 – Quais os planos para o cuidado de crianças e adolescentes?

Novamente aqui voltamos ao atendimento em rede (saúde, educação, assistência)… A forma de efetivamente cuidar estas crianças é tratar dos casos de forma rápida e cirúrgica, mas estudar os meios para que tal situação não mais se repita. A educaçao neste contexto terá papel preponderante,pois com  projeto do turno integral, estas crianças já não ficarão na rua em situação de risco, o que será um grande avanço, e em se tratando do adolecente, este precisa de qualificação e perspectivas de futuro, pois isto o motivará a romper a redoma social e mudar sua vida para melhor. A falta de horizontes torna nosso jovem uma presa fácil das armadilhas da vida, que não são poucas.

10 – Haverá algum programa de acolhimento/tratamento às pessoas com dependência química?

Temos dois focos nesta questão: Prevenção e atendimento. Pois bem, vamos agir muito forte em campanhas permamentes de prevenção, tentando evitar que nossas crianças dêem o primeiro passo neste sentido, e aqui, nossas escolas serão o grande campo de trabalho. Hoje temos a parceria da Brigada Militar, com o PROERD, que era um programa que não mais existia em Canela e que pudemos participar deste retorno. No quesito repressão, que não podemos esquecer, temos a parceria decisiva da Polícia Civil e da Brigada Militar que fazem seu trabalho de maneira exemplar, pois basta ver os jornais em que toda semana ocorre a prisão de um ou mais traficantes. E na questão de atendimento vamos continuar buscando os serviços de saúde já existentes, inclusive em outras cidades, além de ter um olhar mais atento ao projeto esperança e paz no Canelinha, que mesmo sem grande apoio do poder público presta um serviço relavante aos jovens de Canela. 

11 – O candidato tem a intenção de ampliar o CRAS para outros bairros, bem como algum outro programa social?

Isto se faz com planejamento. Vamos definir TODOS os serviços de assistência ao cidadão (Saúde + educação + assist. social) e ver a real necessidade em cada micro região e se chegarmos à conclusão da efetividade e necessidade de ampliar este serviço, o faremos com técnica e planejamento.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

error: Conteúdo protegido