Você atingiu a métrica limite de leitura de artigos

Identifique-se para ganhar mais 1 artigos por mês!

Já sou assinante!

InícioExclusivo Assinantes“Pessoas que nunca pediram alimentos, agora estão pedindo”, diz secretária

“Pessoas que nunca pediram alimentos, agora estão pedindo”, diz secretária

Tempo de leitura: < 1 minuto

CANELA – A rotina da Secretaria de Assistência, Desenvolvimento Social, Cidadania e Habitação modificou-se consideravelmente há pouco mais de um ano. Com o início da pandemia do coronavírus e com as medidas restritivas de isolamento, muitas empresas tiveram que se adequar reduzindo despesas e demitindo funcionários. Outras foram obrigadas a tomarem medidas mais extremas e acabaram encerrando as atividades.

Com este cenário, o número de pessoas desempregadas aumentou. Esta elevação atingiu muitas famílias sendo que em muitos casos todos os moradores da casa ficaram sem salário. Com esta situação dramática, a fome bateu na porta de muitos lares e milhares de moradores de Canela não tem a certeza que terão um prato de comida.

A secretáriade Assistência Social, Carmen Seibt, esteve na Rádio Integração Digital participando do programa Notícias da Tarde. Ela fez um balanço do número de atendimentos que vem em uma crescente exponencial e comparou os números atuais comos de 2019, antes da pandemia.

Conforme Carmen, a média de compra por parte da Prefeitura, em 2019, era de 360 cestas básicas por ano e cerca de 170 chegavam por meio de doações, totalizando 530 sacolões. Em 2020, os números de atendimento tiveram uma elevação assustadora depois que começou a pandemia chegando a 6.360 cestas distribuídas, sendo 1.685 compradas e 4.675 arrecadadas.

Neste ano, em apenas três meses, a cota de compra programada já foi adquirida (360 kits) e, somada o que a Secretaria recebe de doações da comunidade e entidades, já foram distribuídas 1.414 cestas.

“Analisando estas situações, a preocupação é muito grande: o quanto isso [pandemia] prejudicou o turismo, que é o forte da nossa cidade, e infelizmente trouxe o aumento no desemprego.A procura das pessoas por alimento está muito elevada é uma situação caótica. É complicado imaginar as pessoas ter que pagar o aluguel e ver os filhos querendo comida. Mas quero destacar a solidariedade da comunidade, pessoas que fazem campanha e entidades. Se não fosse isso, teríamos que fechar as portas da Secretaria”, disse Carmen.

Além do auxílio da população destacado pela secretária, ela revelou que um novo investimento de R$ 100 mil foi liberado pelo prefeito Constantino Orsolin para adquirir mais cestas básicas.

“Coloquei este problema para o prefeito, que atendeu nosso pedido. E, com certeza, se houver necessidade, teremos capacidade financeira para atender a demanda. Sempre vamos dar um jeito. Temos que ter esta sensibilidade. As pessoas têm que ter o que comer no mínimo três vezes ao dia.Temos que nos colocar no lugar das pessoas que estãopedindo ajuda”, comentou.

COMO RECEBER AJUDA? – Uma situação que ocasiona muitas dúvidas é: quem está habilitado a receber uma cesta básica da Assistência Social? Carmen citou que quando a pessoa solicita um atendimento pela primeira vez, principalmente uma cesta básica, é realizada alguma doação. O cadastro é preenchido naquele momento e,no máximo dois dias após, a equipe de assistentes sociaisfaz uma visita ao domicílio para verificar as necessidades daquela família.

“Geralmente, no primeiro momento temos que atender, dando alguma coisa. Por isso, temos que ter uma reserva. É muito importante fazer o cadastro. As famílias são visitadas, pois sempre verificamosse alguma pessoa tem direito a Bolsa Família ou algum outro benefício do Governo Federal e em muitas oportunidades não sabem”, explicou.

5.295 pessoas em extrema pobreza

A situação dramática por falta de alimentos na mesa dos canelenses é uma realidade que atingiu pessoas que antes jamais imaginavam passar por isso. Segundo a secretária Carmen, em Canela são 5.295 pessoas na linha de extrema da pobreza que recebem o benefício social do Bolsa Família.

Ela mencionou ainda que por causa da pandemia não se pode avaliar se pessoa pode ou não receber um sacolão pela qualidade residência onde mora ou pelo veículo na garagem.“Pessoas que nunca pediramalimentos, agora estão vindo. Quem não está acostumado a solicitar está vindo. Não vai ao vizinho nemà própria família pois se sentem constrangidos,mas procuram Assistência Social. O acolhimento da nossa equipe é muito importante, que se une para atender bem as pessoas. Quem chega à Secretaria está com problema. Temos que passar esta segurança. Sempre que possível ajudamos”, enfatizou.

Entre tantas histórias que diariamente chegam, Carmen recorda-se de um momento em que uma família precisou de ajuda, foi atendida e retornou para agradecer. “Um momento marcanteque vivenciei como secretária ocorreu no final de fevereiro,quando uma senhora, o esposo e os três filhos foram agradecer pelo auxílio recebido, pois não precisariam mais, porque já estavam trabalhando. Foi um momento de muita emoção e mostra que vale a pena fazer o bem”, finalizou.

A ENTREVISTA

A entrevista pode ser conferida no Facebook Jornal Integração Hortênsias, na barra vídeos – Notícias da Tarde ou acessando o site www.leiafacil.com/podcasts clicando no link: Entrevista Carmen Seibt, secretária Assistência Social de Canela, do dia 12/04.

Texto: Tiago Manique – [email protected]

Foto: Leonardo Santos/JIH

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

error: Conteúdo protegido