Você atingiu a métrica limite de leitura de artigos

Identifique-se para ganhar mais 1 artigos por mês!

Já sou assinante!

Óia as cunversa!

Tempo de leitura: < 1 minuto

O vereador Alberi Dias (MDB) parece estar desalinhado da realidade trabalhista da região. Ele sugere que o poder público canelense peça para as empresas locais terem, no mínimo, 70% de sua mão de obra com pessoas residentes no município. A intenção é bonitinha, mas inviável.

Obviamente o vereador não faz ideia de quantos canelenses trabalham em outras cidades da região, especialmente em Gramado. Já pensou se Gramado também tivesse essa intenção? Se botar na ponta do lápis não seria surpresa se maioria dos canelenses que possuem carteira assinada tenham vínculo empregatício fora do município.

Observe que, conforme a última atualização do Ministério do Trabalho, Gramado tem 18.829 trabalhadores com carteiras assinadas (quantos destes são canelenses?), Canela é a segunda da região que mais emprega com 9.184 vínculos formais, Nova Petrópolis possui 6.823 pessoas com carteira assinada e São Chico 4.847.

E como se não bastasse, a sugestão do vereador foi aprovada por unanimidade na sessão desta semana. Repito o que disse na edição passada: Canela merece mais.

Metendo o pé no candeeiro

Novamente o vereador Jeferson de Oliveira (MDB) soltou o verbo durante a sessão da Câmara de Vereadores. Semanas atrás ele chegou ao ponto de dizer que estava arrependido de ter pedido votos para eleger Constantino Orsolin. Nesta semana deu nova demonstração que ninguém lhe bota arreios. Sua indignação é por causa de um valão entupido situado próximo a Primeiro de Janeiro.

“Não estão respeitando os vereadores da Santa Marta. São dois vereadores que estão sendo tratados como patetas. Um ano pra resolver um problema de um valão. Um ano? Eu vou convidar os senhores pra comer o bolo do valão entupido da Santa Marta. É um descaso. Eu quero lembrar a Administração e todas as pessoas que fazem política nessa cidade que antes dos vereadores Jeferson de Oliveira e Leandro Gralha entrarem para a política, o MDB nunca tinha ganho uma eleição lá na Santa Marta”, pronunciou Jeferson.

E mais: “A cada 10 casas tinha uma com placa minha ou do Gralha lá na Vila. E em 2024 vamos de novos, só que nas minhas costas ninguém vai colocar bandeira vermelha e amarela feito encilha pra buscar esses votos que hoje estão jogando no lixo por causa desse descaso e da falta de vergonha com as pessoas lá na Santa Marta”.

Embora esse tipo de manifestação cause desconforto dentro do partido, é o que a população gosta de ver. Inclusive, o vereador postou o pronunciamento em sua rede social e recebeu apoio de muitas pessoas.

Reforma administrativa

Jeferson também já antecipou seu posicionamento contrário ao Projeto de Lei Complementar 02/2021, chamado de reforma administrativa, que cria uma nova Secretaria Municipal e aumenta o limite para contratação de CCs para 272. “Sou contra a reforma administrativa, nem com audiência, nem com Papa, nem com ninguém, eu vou votar contra. Estamos passando por um momento terrível financeiramente e aumentar o custo mensal em quase 400 mil reais de uma administração que três meses atrás estava tentando tirar 200 reais de servidores que fazem limpeza e comida. Eu tenho posicionamento e coragem, falo o que eu penso e o que eu acho”, desabafou.

O projeto é extenso e ficará de cinco a seis semanas tramitando entre as comissões da Câmara para então chegar ao plenário.

Presença nas sessões

Está melhorando. Na sessão legislativa desta semana, 10 vereadores, dos 11 eleitos, estiveram no plenário para a reunião semanal ordinária. Agora é o presidente da Casa, Alberi Dias, que precisa permitir a volta do público às sessões e o uso da tribuna do povo.

Parque do Caracol

É o assunto predominante nos corredores políticos do Reino de Canelot, como diria minha amiga Marcia Rosi da Rosa. O governo estadual de Eduardo Leite (PSDB), como todos já sabem, está irredutível da ideia de entregar o Parque do Caracol para a iniciativa privada.

Enquanto o imbróglio não se desenrola, pertinente ressaltar que ao longo dos últimos trinta e poucos anos, Canela foi administrada por MDB, PP e PDT. Evidentemente que estes partidos também geriram o Parque do Caracol durante suas gestões. Bem ou mal, todos estes já geriram o Parque e todos sabem como funciona essa concessão do Estado. Ointeressante é que agora todos têm uma fórmula mágica para resolver os problemas.

O Caracol é patrimônio de Canela, não do partido A ou B. Mas é fato que se tornará ferramenta política e eleitoral. É do jogo. De qualquer forma, cabe provocar uma reflexão com um questionamento: entre os partidos atuantes aqui no reino, o que têm sido feito por cada um junto aos seus deputados, ou mesmo lá no Piratini, para Canela não perder os recursos do Caracol ou para que o impacto seja menor possível?

Estrada Saiqui-Lajeado Grande

A falta de manutenção e as frequentes chuvas deixaram a ERS-476, que liga o Saiqui ao Lajeado Grande e Alziro Ramos, ainda pior. Está calamitosa. São inúmeros atoleiros, valos cortando a via, rochas pontiagudas, pedras soltas. Produtores e usuários estão indignados com a situação da estrada.

Nos últimos dias, chegou a ser organizado um bloqueio do tráfego de veículos na Rota do Sol, em Lajeado Grande, com o intuito de pressionar o Estado, leia-se Daer, a promover a manutenção da estrada. A manifestação estava marcada para ocorrer nesta quarta-feira (6) e foi cancelada por conta de uma nova promessa do Estado.

O produtor Jorge Palandi, que também integra a Comissão Permanente de Desenvolvimento do Lajeado Grande, enviou um áudio para o deputado estadual Carlos Burigo (MDB) pedindo ajuda.“Burigo, vê lá com o secretário para arrumar a ERS-476, é intransitável. Ou vocês começam se mexer aí em baixo (Porto Alegre) e arrumam essa estrada ou vamos trancar a Rota do Sol quarta-feira (dia 13). A paciência está se esgotando. Isso é uma vergonha. Não dá mais pra andar nessa estrada. O que estão fazendo aí? Não dá mais. Estamos pagando os imposto pra quê? Pelo amor de Deus, Burigo”, disse Palandi.

Após o desabafo, Palandi comunicou os moradores que Burigo deu um retorno dizendo que o Daer colocaria as máquinas na estrada. O deputado federal Lucas Redecker (PSDB) também interveio na causa e enviou áudio para o presidente da Comissão, Mário Borguetto: “O Daer nos deu a informação que nessa semana eles iniciam essa obra de manutenção”.

Conteúdo relacionado

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

error: Conteúdo protegido