Início Educação Gramado e Canela Uma safra de conhecimento e produção

Uma safra de conhecimento e produção

Tempo de leitura: < 1 minuto

CANELA – Uma produção que faz parecer uma vinícola ou empresa do gênero e ainda, além de ter sua própria fábrica, possui o local onde são colhidas as próprias frutas sem a adição de agrotóxicos.

Uma instituição de ensino pública, sendo uma das únicas que faz parte do ensino do estado que mantém turno integral, a Escola Neusa Mari Pacheco (Ciep), mesmo em período de muitas incertezas devido a pandemia, produziu somente da uva, dos 500 pés de parreiras, cerca de cinco mil garrafas de sucos na safra do ano passado.

O Ciep possui um Centro Agrícola na Linha São João, interior de Canela, com cerca de 12 hectares. Além das uvas, conta com mais de 3.000 pés de laranjeiras e bergamoteiras, 200 pés de caquizeiros e outras frutas, além de plantação de milho e abóbora. E de toda essa área, 7 hectares estão reservados a preservação permanente da mata nativa.

Nos últimos anos, por falta de fomento governamental para financiar o transporte dos alunos, o deslocamento dos estudantes se dá esporadicamente ao local para passear, respirar ar puro e poder comer uma fruta saudável colhida direto do pé, a pandemia também atrapalhou o projeto pedagógico naquele local, pois os estudantes necessitam pagar o translado.

Mesmo com estas dificuldades, os resultados são comemorados pela direção da escola. Para o diretor, Márcio Gallas Boelter – que há 22 anos leciona na escola e há nove está à frente da direção – apesar da pandemia e da carência de um apoio mais efetivo em nível estadual, pôde ser dado seguimento nas atividades no Centro Agrícola.

“A manutenção de tudo isso dá muito trabalho, mas a produção das frutas é uma alegria e orgulho para nossa comunidade. No ano passado, em função da pandemia, foi realizada a limpeza e poda nas árvores frutíferas, plantio de novas mudas e a troca das frutas produzidas em supermercados da cidade, além da doação para o Hospital de Caridade de Canela (HCC)”, explicou.

O Centro Agrícola tem um caseiro residente que é professor da escola e, além dele, os funcionários do CPM e da cozinha da instituição atuam de forma permanente. O professor Márcio ressalta que está sendo cada vez mais desafiador manter o local por conta de toda estrutura da instituição, mas acredita que com o engajamento da comunidade conseguirá dar seguimento.

“O grande desafio é dar continuidade ao projeto que tem 27 anos e repensá-lo num caráter pedagógico. Como diz e prega a filosofia da escola, é preciso sonhar, no sonho projetar, o projeto realizar e dar continuidade. E para manter toda nossa proposta educacional, com piscina térmica, ampla estrutura física e principalmente, permanecer com o aluno em tempo integral (em tempos normais, sem pandemia), somente acreditando no lema da instituição que diz: A participação faz a diferença”, citou. Apesar dos desafios deste ano, já há projeção para a colheita de caqui previsto para os meses de março e abril e posterior de goiabas, laranjas e bergamotas, sendo para consumo in natura, produção de sucos, chimias e geléias. “Sempre priorizando o consumo pelos alunos, além de doações para o hospital e famílias carentes”, finalizou o diretor.

Texto: Tiago Manique | [email protected]

1 COMENTÁRIO

  1. Parabéns à comunidade escolar do “Canelinha”, pelo excelente trabalho realizado pelo Centro Agrícola da “Escola Estadual Neusa Mari Pacheco- CIEP”, de Canela.
    Que orgulho!
    Um grande abraço.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

error: Conteúdo protegido