InícioEducaçãoGramado e CanelaPesquisa revela que 1140 alunos, de um total de 1539, não possuem...

Pesquisa revela que 1140 alunos, de um total de 1539, não possuem computadores disponíveis para aulas online

Tempo de leitura: < 1 minuto

CANELA – A Secretaria de Educação, Esporte e Lazer realizou de 9 a 23 de abril, uma pesquisa que obteve 1539 respostas, sendo 1191(77,4%) respondidas online e 348(22,6%) respondidas via papel.

No questionário que indagou o número de crianças matriculadas na rede pública de ensino morando na casa se constatou que na maior parte dos casos 812 (52,8%) há apenas uma criança matriculada na rede pública na casa, 513(33,3%) tem dois estudantes, 154 (10%) 3 estudantes e em 57 (3,7%) casas mais de estudantes.

Se possui computador disponível para as aulas online, 1140 (74,1%), os alunos não possuem computador disponível para as aulas online, 363 (23,6) têm um computador, 27 (1,8) têm 3 computadores e 2(0,1%) têm mais de 3 computadores disponíveis.

Em relação aos smartphones, a pesquisa revelou que na maior parte dos casos, 873 (56,7%), o celular utilizado para as aulas online pertence aos pais, 395 (25,7%) possuem celulares próprios, 175 (11,4%) celular dividido com outro estudante e 93 (6,0%) não possuem celular.

Em relação ao acesso à internet, 961 (62,4%) possuem internet banda larga (ilimitada) em casa, 330 (21,4%) possuem internet com a tecnologia 3G, 170 (11%) internet com tecnologia 4G e 71 (4,6%) não possuem nenhum tipo de acesso à internet.

Quando perguntados se o aluno consegue fazer as atividades remotas, a maior parte dos estudantes, 812 (52,8%) somente consegue realizar as atividades remotas que são entregues semanalmente nas escolas, 710 (46,1%) conseguem realizar as atividades postadas pelo whatsApp ou no site criado pela SMEEL (educacanela.com) e 15 (1,0%) não conseguem realizar as atividades.

Outro assunto foi se o estudante possui local apropriado para os estudados, 688 (43,4%), não possuem um espaço apropriado para a realização das atividades escolares, 155 (10%) possuem um espaço apropriado, porém dividido com outros estudantes e 716 (46,5%) possuem espaço próprio para a realização dos estudos.

Segundo os responsáveis pela pesquisa, a professora Janete da Silva Santos, secretária da Educação, professor Rafael da Silva Cardoso, secretário Adjunto da Educação e o professor doutor Eduardo Mundstock, os resultados mostram que a maior parte dos estudantes somente consegue acompanhar as aulas remotas com material impresso e via celular. Como mais de 70% dos estudantes não possui computador, plataformas e materiais que sejam dependentes deste tipo de tecnologia precisam ser adaptadas para nossa realidade.

Outra realidade a ser observada é de que somente 25% dos estudantes possui smartfone próprio, e maior parte utiliza o celular pertencente aos pais ou responsáveis, com isso a utilização de aulas longas de sejam baseadas neste tipo de dispositivo também devem ser evitadas. Ou seja, sugerimos a utilização somente de vídeos curtos com instruções ou vídeos de apoio, que não sejam essenciais para a execução das atividades, ainda mais sabendo-se que quase 40% dos estudantes somente possui internet via celular, o que limita a utilização devido ao limite de dados que os planos de internet deste tipo possuem.

O afastamento dos estudantes das escolas tem um efeito deletério na escolarização de todos os indivíduos, mas este efeito é ainda mais dramático em estudantes de comunidades carentes.

A UNIFEC, chama a atenção de que todos os esforços devem ser feitos para que as escolas se mantenham abertas, ou que elas devem ser priorizadas nos esforços de reabertura. Segundo a entidade, os custos educacionais da pandemia foram devastadores, afetando de maneira bastante grave as habilidades de matemática, leitura e escrita. O Brasil é um dos países em que o fechamento das escolas está mais prolongado, completando mais de 46 semanas.

Segundo a UNESCO, o papel da escola na vida dos estudantes vai além da educação. A entidade defende que ela também é responsável pela socialização, alimentação e cuidado e que quanto maior a vulnerabilidade social do estudante, mais importante é o papel da escola nestes 3 últimos itens. Além disso, estudos mais recentes mostram evidências de que crianças (principalmente abaixo dos 10 anos) têm baixa 9 possibilidades de ter a COVID de forma grave e, se infectados, têm baixa taxa de transmissão, desde que respeitados os protocolos de higiene, distanciamento e uso de máscara. Existem também evidências de que, além do atraso educacional, a atual geração tem um risco grande de passar por uma pandemia de inatividade física, miopia e de problemas neurológicos, derivados do excesso do uso de telas.

Com base nos resultados da pesquisa e no papel fundamental que a escola exerce na vida das crianças em idade escolar acreditamos que deve ser dada absoluta prioridade ao retorno das aulas presenciais, ainda que no modelo híbrido e seguindo todos os protocolos previstos.

A secretaria de educação de Canela entende que é preciso avançar na área de tecnologias no ambiente escolar. Dentro desta perspectiva, está providenciando a instalação de rede wiffi em todas as escolas municipais de ensino fundamental, e ainda neste ano, será realizada uma formação com os professores para o uso de tecnologias.

“Precisamos estar prontos para o ensino híbrido ou até mesmo para a possibilidade do ensino remoto, porém entendemos que antes de implementar novas tecnologias é necessário preparar nossos alunos e professores e a pesquisa mostrou-se importante para identificarmos os pontos que precisamos avançar”, ponderou o secretário adjunto de Educação, Rafael Cardoso.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

error: Conteúdo protegido