InícioExclusivo Assinantes“Hoje vejo a vida com outros olhos”, diz paciente que ficou 80...

“Hoje vejo a vida com outros olhos”, diz paciente que ficou 80 dias internado

Tempo de leitura: < 1 minuto

CANELA/GRAMADO – Sofrimento, fé, perseverança e renascimento. Marcelo Trintin Haubert, 44 anos, recebeu alta hospitalar na manhã deste sábado (8), por volta das 11h30, 80 dias depois de ser internado por ter complicações de saúde após contrair a Covid-19. Ele estava internado no Hospital de Caridade de Canela (HCC).

Conforme o Diretor Técnico do HCC, Maicon Antônio Carraro, durante a internação, Marcelo sofreu duas paradas cardíacas e teve complicações como infecção generalizada (Sepse), insuficiência renal aguda, infecção por germe multiresistente, úlcera, foi entubado cerca de três vezes e precisou ser submetido a uma traqueostomia.

A reportagem do Jornal Integração esteve no hospital acompanhando o momento que Marcelo recebia alta. “Foi difícil, mas valeu à pena. Eu saio daqui, hoje, vendo a vida com outros olhos. Cada coisa simples que às vezes não damos bola, agora tem todo o valor para mim. Só eu sei o que eu passei. Sede, UTI, não poder tomar um simples gole de água e ver as enfermeiras chorando. Eu só agradeço. Na verdade eu morri, né? Mas Deus me pegou pelo braço e falou: tu, ainda não!”, declarou Marcelo.

80 DIAS INTERNADO – Trintin precisou ser internado no HCC no dia 17 de fevereiro após fazer uma tomografia e o exame apontar que ele já estava com 50% do pulmão comprometido. “Eu estava me sentindo mal, viemos só para fazer a tomografia, mas o médico já quis baixar e disse que não podia me liberar. Nunca imaginei que fosse ter a dimensão que teve”, relembra. Marcelo contou que nunca esteve doente, mantinha alimentação regrada, não possui vícios e não tem comorbidades.

Residentes do bairro Carazal, em Gramado, a família tentou transferi-lo para o Hospital Arcanjo São Miguel, mas não havia leito disponível. Nos 80 dias de internação, Trintin ficou 69 dias na Unidade de Tratamento Intensivo (UTI) e 11 na enfermaria. “O pior de tudo desta doença é o psicológico, é a tua cabeça. Quando eu entrei na UTI estavam colocando uma pessoa dentro de um caixão do meu lado. Tu fica abalado. Vejo o noticiário, as pessoas morrendo. Isso tudo me abalou muito”, relatou.

A FORÇA DA FAMÍLIA – Marcelo Trintin é casado há 18 anos com Fabiane Pistorello, com quem tem três filhos: Matias, Lorenzo e Heitor, de 17, 10 e 3 anos, respectivamente. O casal é proprietário da D´Gramado Carnes, empresa distribuidora de carnes. Ela contou sobre a pior fase que passou com a internação do marido e destacou o apoio que recebeu da família e dos amigos durante o período. “Eu tive que ser forte para não passar para ele a energia ruim, assumir a empresa, cuidar dos nossos filhos, passar para eles e para a mãe dele que, sim, ele voltaria. Teve um dia que me ligaram 8h da manhã e disseram que ele estava bem e, duas horas depois, me ligaram novamente para dizer que ele estava sendo entubado pela segunda vez. Muitos entraram aqui e poucos tiveram a chance de sair, de sobreviver. Teve um momento que ele ainda estava na UTI e nós perdemos muitos amigos, paralelamente, a piora e a melhora dele”, acrescentou a esposa. “Só Deus para segurar, os amigos mandando correntes de oração e a nossa família foi a base”, sublinhou ela.

Por conta dos cuidados e das medidas de isolamento que precisam ser respeitados, Marcelo ficou os 80 dias de internação sem receber a visita dos filhos. Fabiane, Matias, Lorenzo e Heitor viam Marcelo somente por chamadas de vídeo. “Uma vez, eu e os meninos passamos na frente do hospital, e o Lorenzo disse que o pai dele estava tão pertinho, mas que não podia ver eles. Essas coisas que tu quer e não pode fazer, nestes casos”, lamentou ela.

No dia primeiro de abril, aniversário de Fabiane, foi Marcelo quem ganhou um presente. A esposa teve permissão para visitar o marido. “Eu saí correndo quando o médico me ligou, eu voei. Dias depois disto, ele começou o tratamento com a fonoaudióloga e eu pude entrar novamente. Quando ele saiu da UTI, no dia 26, eu já vim para o HCC e fiquei aqui com ele de novo”, contou.

Ainda na cama da enfermaria, Marcelo revelou que precisa de um tempo para digerir o que aconteceu, chegar em casa e repensar a vida. “Eu preciso de uns dias, sentar lá no banco do meu sítio e pensar nas minhas coisas e na minha vida. Eu vi que não levamos nada”. Já Fabiane quer voltar a curtir e aproveitar a família e agradeceu a equipe do HCC. “Eu quero cuidar dos meus quatro meninos. Os meus três filhos e o da minha sogra. Temos só que agradecer a equipe do HCC, eles fizeram o possível e o impossível”, finalizou.

DIA DAS MÃES – A mãe de Marcelo, Geni Trintin Haubert, também foi buscá-lo na saída do hospital. Ela expressou sua felicidade pela recuperação do filho e disse ter recebido o melhor presente de Dia das Mães. “Recebi o melhor presente. Ele saiu com vida, sempre tive muita fé. Hoje está sendo tudo de bom. Ele nasceu de novo’’, comemorou dona Geni.

AGRADECIMENTO – Cada atendimento é uma história e uma vivência para os profissionais da saúde que, por causa da pandemia, enfrentam dias sobrecarregados, com desgaste físico e psicológico extenuados. Vencer a doença e permitir que um paciente possa receber alta e voltar para o convívio familiar é uma conquista gratificante para as equipes. Mas quando o paciente expressa sua gratidão com gestos de carinho, cada profissional da saúde demonstra com lágrimas o quanto vale a pena cuidar das pessoas. A alta hospital de Marcelo foi repleta de emoção e com muitas lágrimas.

Antes de ir embora, a família entregou uma carta de agradecimento pelos cuidados recebidos. “O carinho dos amigos, o colo da família e a dedicação incansável da equipe médica e funcionários do HCC fizeram toda a diferença na recuperação dele (…) Após sair da UTI, passamos duas semanas no quarto 311 e no dia 26 de abril o quarto estava decorado com balões coloridos para recebe-lo. Cada turno nos conhecia, cada um que nos atendeu neste período teve extremo carinho, bondade e profissionalismo. Todos conheciam a história de luta do Marcelo e vinham parabenizá-lo por vencer. Víamos em cada um a alegria de dever cumprido e a felicidade por ele estar vivo. Não tenho palavras para expressar toda nossa gratidão e carinho à todos, por tudo que fizeram. Muito obrigado, de coração, e que Deus abençoe grandemente cada um e suas famílias”, escreveu Fabiane.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

error: Conteúdo protegido