Você atingiu a métrica limite de leitura de artigos

Identifique-se para ganhar mais 1 artigos por mês!

Já sou assinante!

InícioExclusivo AssinantesSímbolo do autismo em placas de atendimento prioritário deverá ser obrigatório

Símbolo do autismo em placas de atendimento prioritário deverá ser obrigatório

Tempo de leitura: < 1 minuto

CANELA – Objetivando promover a inclusão, respeito e a conscientização, o vereador Felipe Caputo (PSDB) criou o Projeto de Lei Legislativo que torna obrigatório que estabelecimentos públicos e privados a inclusão em placas de atendimento prioritário e vagas de estacionamento preferenciaiso símbolo do Transtorno de Espectro Autista (TEA). O projeto está na pauta da Câmara de Vereadores e deve ir à votação na próxima segunda-feira (21).

O texto do projeto explana que se configuram como estabelecimentos privados, supermercados, padarias, conveniências, bancos, casas lotéricas, hospitais, clínicas, laboratórios, farmácias, restaurantes, bares, lojas e similares.

Caputo conversou com a reportagem do Jornal Integração e revelou o intuito da proposição, além de explicar a procedência do projeto.“Minha prima, moradora de Minas Gerais, tem um filho com esta doença e ela conheceu uma representante da causa dos autistas que também é mãe de um menino autista. Essa mulher que me mostrou este projeto que tem lá em Itajubá. Eu achei muito interessante e acho que vai ser uma forma de Canela, realmente, começar a trabalhar esta inclusão. O projeto está passando pelas comissões para que seja aprovado e depois tem de ser sancionado pelo prefeito, acredito que vá ser aprovado”, sublinhou ele.

De acordo com a Lei Berenice Piana, as pessoas com o transtorno são consideradas deficientes, tendo todos os direitos previstos em lei para o grupo, incluindo o atendimento prioritário.

As unidades do mercado Super Rissul possuem a indicação de atendimento prioritário para pessoas com TAE há cerca de dois anos. Conforme o superintendente de varejo da UnidaSul, holding que administra o Supper Rissul, José Leandro Assis, uma cliente, mãe de uma criança com a doença, alertou sobre a Lei. “Logo aconteceu, pesquisamos a Lei e inserimos em todas as nossas lojas o símbolo do atendimento prioritário. Somos uma empresa regional, com lojas muito próximas das comunidades. Mais do que atender a legislação, pensamos no quanto é importante para os responsáveis de pessoas com o TAE terem esta prioridade atendida. Muitas vezes, apenas com o contato do responsável com a nossa equipe já define o atendimento prioritário”, expressou o superintendente.

Para o vice-presidente da Associação Canelense de Pessoas com Deficiência Física, Jonas Ludwig, o tema levantado pelo vereador é fundamental e destacou que é cada vez mais é preciso que a inclusão seja debatida e colocada em prática. “O projeto é de fundamental importância quanto à inclusão. Tem se tornado cada vez mais necessário que tenhamos a inclusão das pessoas com alguma deficiência, seja em qual aspecto for. Como o espectro autista é uma deficiência de difícil percepção, o projeto é extremamente importante, ainda mais para a nossa região que é turística”, completou.

Caso seja aprovado, os estabelecimentos que ainda não possuem o símbolo terão um ano para a adequação, conforme a lei, contado desde a data de publicação da mesma.

CARTÃO DE IDENTIFICAÇÃO – Também em relação ao autismo, o Projeto de Lei nº 35/2021, que “Determina que seja instituído o Cartão de Identificação para Pessoa com Transtorno de Espectro Autista – TEA no Município de Canela e dá outras providências”, foi aprovado nesta semana na Câmara de Vereadores e sancionado ontem (17), pelo prefeito Constantino Orsolin.

O projeto, indicado também pelo vereador Caputo, tem como objetivo atender a reivindicação da comunidade local, bem como identificar as pessoas que possuem o TEA com vistas à atenção integral e acessibilidade aos serviços públicos.

O reconhecimento se dará com um cartão de identificação, no qual deverá conter as seguintes informações: nome completo, número da carteira de identidade ou registro geral e endereço; nome e telefone do cuidador ou responsável; alergias a medicamentos e tipo sanguíneo; grau de intensidade do transtorno; medicação e tratamento realizado.

Conteúdo relacionado

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

error: Conteúdo protegido