Início Coronavírus Piora nos indicadores coloca Serra na bandeira vermelha

Piora nos indicadores coloca Serra na bandeira vermelha

Tempo de leitura: < 1 minuto

Na semana em que o Rio Grande do Sul completa seis meses desde a notificação do primeiro caso de coronavírus, em 10 de março, o modelo de distanciamento controlado chega à 19ª rodada. O mapa preliminar traz sete regiões em bandeira vermelha, o que indica risco epidemiológico alto para covid-19. As outras 14 regiões estão em bandeira laranja, de risco médio.

Dentre as regiões em bandeira vermelha está a Serra, que retornou após semanas seguidas na condição amarela. Mesmo situação para Porto Alegre, Erechim e Palmeira das Missões, que já estavam anteriormente, e para Santa Maria, Guaíba e Passo Fundo, que retornaram à condição mais crítica. Segundo boletim do governo, em todo o Rio Grande do Sul houve queda em alguns indicadores, como hospitalizações, 7%, e internados em leitos clínicos, 14%. Também ocorreu estabilização no número de leitos livres.

A região de Caxias do Sul foi agravada pelos indicadores de incidência de novos casos sobre a população e pela mudança da capacidade de atendimento da macrorregião. O indicador de hospitalizações confirmadas para covid-19 nos últimos sete dias na região teve redução de 8%, de 127 para 117. Mesmo assim, o gabinete avaliou que houve piora nos indicadores de internados em leitos de UTI por covid-19, de 62 para 69 pacientes, e por síndromes respiratórias agudas e graves em UTI, de 91 para 95. No número de internados em leitos clínicos covid-19 a situação melhorou, passando de 97 para 82.

Os indicadores de incidência de novos casos sobre a população, calculado pelo número de hospitalizações confirmadas para covid-19 em relação à população e pela projeção de óbitos em relação à população, mantiveram situação de maior risco: bandeira preta nos dois casos. O gabinete ainda destacou o aumento no número de registros de óbitos por covid-19 entre as duas semanas, de 24 para 33. O indicador de leitos de UTI livres dividido pelo de leitos de UTI ocupados por pacientes Covid-19 ficou com bandeira preta, com 0,90 leitos de UTI adulto livre para cada leito de UTI adulto ocupado por covid-19 na região. O número de leitos de UTI livres no último dia reduziu em 21% entre as duas semanas, de 78 para 62.

Como a região adotou modelo de cogestão, os municípios poderão adotar protocolos menos restritivos à bandeira vermelha, mas no mínimo iguais à classificação anterior. A adoção de protocolos alternativos não altera as cores do mapa definitivo, que será divulgado após análise dos recursos pelo gabinete de crise, na tarde de segunda-feira (14), por meio de notícia publicada no site do governo. A vigência das bandeiras da 19ª rodada começa a zero hora de terça-feira (15) e se encerra às 23h59 de segunda-feira (21).

Regiões que pioraram

  • De laranja para vermelha: Santa Maria, Guaíba, Passo Fundo e Caxias do Sul

Regiões que melhoraram

  • De vermelha para laranja: Capão da Canoa, Novo Hamburgo, Canoas, Santo Ângelo e Cruz Alta

Regiões que permanecem iguais

  • Vermelha: Porto Alegre, Palmeira das Missões e Erechim
  • Laranja: Taquara, Santa Cruz do Sul, Lajeado, Ijuí, Santa Rosa, Uruguaiana, Pelotas, Bagé e Cachoeira do Sul

REPERCUSSÃO

O presidente da Câmara dos Dirigentes Lojistas (CDL) de Caxias do Sul, Renato Corso, manifestou apreensão com a nova classificação, mesmo que isto não determine mudança no funcionamento atual do comércio não essencial, já que a região adotou o modelo de cogestão. “Isto reflete a condição de que ainda estamos em meio à pandemia e precisamos seguir tomando todos os cuidados”, alertou.

O varejo não essencial de rua poderá funcionar com metade dos trabalhadores e 25% da lotação, durante seis dias por semana e num período de, no máximo, oito horas por dia, a critério de cada empresa. Já o comércio não essencial em shoppings e centros comerciais deve seguir os mesmos critérios, mas com horário definido, das 9h às 18h. Restaurantes à la carte, prato feito, buffet sem autosserviço e lancherias também poderão operar das 7h às 22h, com 50% dos funcionários e 25% de ocupação. “A cogestão sempre foi defendida pelas entidades do comércio e hoje permite que tenhamos a possibilidade de atender mesmo em bandeira vermelha”, reforça a presidente do Sindilojas Caxias, Idalice Manchini.

Por meio de nota, a Prefeitura informou que recorrerá da decisão do Estado por meio da Associação dos Municípios da Encosta Superior do Nordeste (Amesne). A região está na regras da bandeira laranja desde o dia 4 de agosto. 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

error: Conteúdo protegido