Economia

Vinícolas serão atendidas no pedido de revisão na substituição tributária

Garantia foi dada pelo governador Eduardo Leite durante inauguração da nova planta industrial da Vinícola Aurora
02 de maio de 2019 às 11:56
Foto: Itamar Aguiar, Palácio Piratini/Divulgação

Considerada a principal pauta do setor vitivinícola gaúcho dos últimos 30 anos, a reivindicação de revisão da substituição tributária será atendida pelo atual governo do Estado. A garantia foi dada pelo governador Eduardo Leite ao participar, nesta quarta (1), em Bento Gonçalves, da inauguração da nova fábrica da Vinícola Aurora. O setor pede a exclusão do regime de substituição tributária para produtos vitivinícolas, alegando que o mecanismo onera a indústria nacional por ter de antecipar o recolhimento do ICMS antes da venda para o consumidor. “É uma demanda do setor, capaz de dar mais competitividade aos empreendedores. Já estamos negociando e, muito em breve, vamos anunciar mudanças”, garantiu o governador

Na noite de terça (3), em Monte Belo do Sul, durante o lançamento da programação do Dia do Vinho Brasileiro, Oscar Ló, presidente do Instituto Brasileiro do Vinho e da Cooperativa Vinícola Garibaldi, destacou que o regime atual é entrave às finanças das indústrias do setor. Mas adiantou que novidades estariam próximas de serem anunciadas.

No mesmo evento, o prefeito de Bento Gonçalves e agora presidente da Associação dos Municípios da Encosta Superior do Nordeste, Guilherme Pasin, lembrou que de cada 10 garrafas de vinho consumidas no país apenas uma é nacional. “Isto se dá pela falta de competitividade, decorrente do excesso de tributos. A substituição tributária precisa mudar de um jeito ou de outro”, assinalou.

Aporte de R$ 50 milhões

A nova fábrica da Aurora absorverá a elaboração e o envase de suco de uva integral e de vinhos de mesa, com capacidade inicial de produção de até 10 mil garrafas por hora. A expectativa é de que alcance, até o próximo ano, a marca de 30 mil unidades. A meta para 2021 é implantar uma nova linha de envase para mais 10 mil garrafas por hora. As atividades da nova fábrica, localizada no Vale dos Vinhedos, terão início neste semestre. O investimento na unidade de 18,1 mil m² de área construída foi de R$ 50 milhões.

A Aurora é a maior cooperativa vinícola do Brasil, com 1,1 mil famílias associadas, o que totaliza 4,5 mil pessoas. A safra anual média é de 60 mil toneladas de uva, que são convertidas em 46 milhões de litros de produtos, entre os quais, sucos de uva integrais, vinhos, espumantes e coolers. Em 2018, a cooperativa faturou R$ 540 milhões, vendendo mais de 60 milhões de litros de vinhos e de sucos.

Valorização à Festa da Colônia e ao Festimalha

Com o tema “Unindo origens, celebrando tradições”, Gramado deu início nesta quarta (1) à 29ª edição da Festa da Colônia. Até o dia 19, a ExpoGramado sedia uma mescla de atividades culturais, gastronômicas e turísticas, valorizando a cultura dos colonizadores alemães, portugueses e italianos. O governador Eduardo Leite, que participou da abertura, foi recepcionado por grupos de dança e bandinhas e degustou cucas feitas na hora em tradicionais fornos de barro.

Na cerimônia de abertura, ressaltou a importância de manter as tradições dos imigrantes e de comemorá-las justamente no Dia do Trabalhador. “A vocação para o trabalho, a capacidade empreendedora e o talento das pessoas ergueram a cidade de Gramado, apesar das dificuldades do relevo e por serem estrangeiros numa terra que talvez não tenha sido a mais acolhedora. Por isso, também é momento de lembrar a importância de exercermos tolerância e tratarmos com igualdade todas as pessoas, como os senegaleses, haitianos e venezuelanos que buscam o Estado para viver e empreender”, convocou. O governador visitou diferentes espaços do evento, como a Feira de Produtos Coloniais, que reúne 21 agroindústrias, e a Feira Feito em Gramado, evento que ocorre em paralelo, no mesmo complexo, onde 140 artesãos e pequenos empresários expõem produtos locais, como confecções, artes plásticas e muito chocolate.

NOVA PETRÓPOLIS

Considerada a maior feira de malha tricot do país e um dos maiores eventos de moda do estado, a Festimalha deu início nesta quarta-feira (1) à sua 30ª edição. Até o dia 9 de junho, de quintas a domingos, Nova Petrópolis aguarda 80 mil visitantes.

Presente à cerimônia que abriu as portas do Centro de Eventos na manhã deste 1º de Maio, o governador Eduardo Leite destacou a data escolhida para o início do evento. “É simbólico celebrar o Dia do Trabalhador na abertura de uma feira que é exemplo da vocação gaúcha para trabalhar e empreender, gerar riqueza sem esmorecer diante das dificuldades. É isso que queremos homenagear nesta vinda aqui”.

A feira reúne 66 expositores, sendo 47 malharias locais, que esperam vender perto de 360 mil peças de malhas – o equivalente a 45% da produção anual da cidade –, com previsão de faturamento de R$ 17 milhões. A grande expectativa para esta edição é pelo frio, principal responsável por esquentar as vendas. No ano passado, a feira amargou queda nos negócios em razão da greve dos caminhoneiros e do atraso na chegada do frio. “Gostaria de poder assinar um decreto dando início ao frio”, brincou o governador. “Como não é da nossa competência, nosso governo se compromete com a agenda de desenvolvimento e em dar as condições para que quem empreende possa se desenvolver”, acrescentou. O setor malheiro emprega perto 1,8 mil pessoas na cidade, com a média de uma malharia para cada 391 habitantes.