Leia Fácil

Cidades

SAÚDE: Telemedicina é debatida em evento internacional

Cabral destacou avanços já consolidados
12 de abril de 2019
Foto: Foto: Leonardo Lensku, Divulgação

Representando o Hospital Moinhos de Vento, de Porto Alegre, que tem apostado na tecnologia para qualificar o atendimento, o coordenador dos projetos de Telemedicina da instituição, Felipe Cezar Cabral, apresentou a palestra "Telemedicina como forma de qualificar o atendimento no Sistema Único de Saúde - Experiências de uma parceria público-privada" na programação do Global Summit Telemedicine & Digital Health, realizado em São Paulo. No painel “Telessaúde e inovação: o que podemos esperar?, o médico compartilhou a experiência do hospital com os projetos de telemedicina realizados em parceria com o Ministério da Saúde, no âmbito do Programa de Apoio ao Desenvolvimento Institucional do SUS.

Responsável pela implantação do projeto Qualificação da Assistência em Terapia Intensiva Pediátrica por Telemedicina (TeleUTIP) do Moinhos de Vento, Cabral também falou sobre os primeiros resultados da iniciativa que é pioneira no país. Desde novembro de 2018, em rounds diários – por telemedicina ao vivo através de vídeo – equipes multidisciplinares da instituição gaúcha auxiliam no atendimento de pacientes pediátricos internados em UTIP em dois hospitais do SUS. Um deles fica a 2 mil quilômetros de distância, no Hospital Geral de Palmas, Tocantins; o outro, a 3 mil quilômetros, no Hospital Regional Norte, em Sobral, Ceará.

Apesar de recente, e com informações apenas preliminares, Cabral ressalta que já é possível perceber uma tendência de redução do tempo de internação e da taxa de mortalidade depois da implantação da telemedicina. "Em poucos meses de projeto, conseguimos reduzir o tempo de internação de oito para sete dias, podendo gerar em torno de 200 internações a mais no Sistema Único de Saúde, por ano, nos 19 leitos incluídos na iniciativa", lembra o médico.

Além do TeleUTIP, o Hospital Moinhos de Vento também introduziu essa tecnologia de forma pioneira na área de oftalmologia, com o projeto Teleoftalmo - Olhar Gaúcho. Lançada em 2017, a iniciativa é uma parceria da instituição com o Ministério da Saúde, Governo do Estado do Rio Grande do Sul, prefeituras e o Telessaúde RS-UFRGS.

O objetivo é utilizar a telemedicina como alternativa para atender a demanda reprimida em avaliação oftalmológica por conta da baixa oferta de especialistas no interior, que provoca uma longa espera por atendimento e, muitas vezes, pode agravar os problemas de visão. Pacientes de diversas regiões são beneficiados por meio de oito consultórios remotos, dois deles no Hospital Restinga e Extremo-Sul, em Porto Alegre, e os outros localizados nas cidades de Santa Rosa, Farroupilha, Pelotas, Santa Cruz do Sul, Passo Fundo e Santiago. Até março de 2019, foram realizados 14.410 atendimentos. Além disso, mais de 7.400 óculos foram fornecidos, sem custo aos cidadãos.