Programa fomenta a prevenção e o combate à drogadição

Polícia

09 de julho de 2018 às 14:23 hr
Texto
-a
+a

Oito escolas do município e um total de 210 alunos estiveram envolvidos nas atividades do Programa Educacional de Resistência às Drogas e à Violência (Proerd) durante o primeiro semestre de 2018. Por meio de ações que possibilitam a compreensão dos perigos, o programa encoraja os alunos a dizerem não à violência e às substâncias químicas. Na noite de quarta-feira (4), ocorreu a formatura do Proerd em uma cerimônia na Sociedade Recreio Gramadense.

Temas como a responsabilidade nas tomadas de decisões, informações e efeitos sobre as drogas para a saúde, consequências das ações, alertas para sinais de tensão, confiança na hora de se comunicar, maneiras de se expressar, identificação e prevenção de comportamentos de bullying e maneiras de ajudar ao próximo foram abordados pelo sargento Jorge Scaglia e pela soldado Talita Raaber durante os encontros do Proerd.

Professora do 5° ano na Escola Municipal Vicente Casagrande, Denise Andreatta acredita que o Proerd vem para acrescentar os temas trabalhados em sala de aula. “É um trabalho excelente, que contribui com o que a gente já trabalha com os alunos. Eles ensinam como dizer não e oferecem várias alternativas para isso, para buscar ajuda e se comunicar”, afirma.

Para Maria Regina Ramos Correia, mãe de Erica, de 10 anos, as ações desenvolvidas pelo Proerd na escola da filha contribuem para a formação dos cidadãos. “Minha filha gostou bastante, ficava esperando pelos dias dos encontros. E eu, como mãe, acho muito importante. É um trabalho de alerta que contribui para a formação deles. Ainda mais que moramos no bairro Altos da Viação Férrea, onde eles podem ver de tudo. Antes ela até tinha medo de policiais e, agora, ela enxerga de maneira positiva, quer sempre dar oi para eles quando vê”, comenta.

Pais da aluna Kimberly, de 11 anos, Márcia Schulz e Claudiomiro da Silva enxergam o programa de maneira positiva através do entusiasmo trazido pela filha após os encontros. “Ela comenta bastante sobre as aulas, comenta de maneira positiva, sempre muito entusiasmada. Achamos que esse trabalho de prevenção é muito importante”, conta Márcia.

De acordo com o major Gilson Wagner de Oliveira Alves, dentro dos números de presos por drogas, roubos e furtos no Brasil, há também uma significante parcela de adolescentes de 14 a 19 anos. “O Proerd veio para atingir justamente essa faixa etária anterior aos 14 anos. A gente tem que se preocupar com as famílias e com a educação, como estamos fazendo agora. Nós, brigadianos, não fomos feitos somente para prender. É mais importante formar crianças do que prender marginais”, destaca.

Instrutora do Proerd há cinco anos e meio, a soldado Talita Raaber afirma que o trabalho do programa se torna mais eficaz com a conscientização dos familiares. “Hoje o problema das drogas está muito ligado à falta de estrutura familiar. Não adianta a gente só trabalhar essa questão de prevenção nas escolas, sendo que falta o papel da família, e esse papel é fundamental e decisivo no futuro deles”, ressalta.

“Aprendi coisas que vou levar para minha vida”

Após um semestre de aprendizados com o Proerd, a aluna do Colégio Cenecista Visconde de Mauá, Júlia Drago Maldaner, de 11 anos, passou a enxergar as coisas de uma nova maneira. “Aprendi muita coisa, aprendi sobre os efeitos das drogas e coisas que eu nem tinha ideia que podiam causar na nossa saúde. Aprendi coisas que eu vou levar para minha vida”, afirma.

Aluna do 5° ano, Júlia conta que os encontros do programa são também um espaço para compartilhar histórias. “Acho legal que todo mundo compartilhava histórias, e isso ajudou a mostrar bem as coisas pra gente. Do jeito que a soldado falou com a gente, eu jamais usaria uma droga. O Proerd mudou bastante a minha vida. Me deixou mais longe das drogas do que eu já estava”, comenta.

Um ponto importante para Júlia foi o alerta trazido pela instrutora. “Ela falou sobre a influência dos amigos, das coisas que podemos fazer só para ser aceito, só para a pessoa gostar da gente. Tenho certeza que o Proerd vai ser muito importante no futuro, que todos nós vamos ser pessoas boas”, finaliza.

Proerd - É um programa realizado entre a Polícia Militar, professores, estudantes, família e comunidade, que visa ensinar aos estudantes boas estratégias na tomada de decisão para conduzir suas vidas de maneira segura e, assim, construir um mundo livre do abuso de drogas, da violência e de comportamentos perigosos. No Rio Grande do Sul, o Proerd já formou mais de um milhão e duzentos mil alunos.

Em Gramado, o programa existe desde meados dos anos 2000, mas tem atuado de forma mais consecutiva há seis anos. Normalmente, o foco do Proerd são alunos de 5° ano, com idades entre 10 e 11 anos. As aulas são realizadas em dez encontros, seguindo cartilha da Brigada Militar.

No primeiro semestre de 2018, as escolas Pedro Zucolotto, Presidente Vargas, Ramos Pacheco, Cenecista Visconde de Mauá (CNEC), Nossa Senhora da Pompéia, Nossa Senhora de Fátima, Vicente Casagrande e MosésBezzi foram escolhidas para receber o programa.

« Voltar