Política

Polêmica das bancas de revistas desvia foco em problemas mais graves

Vereadores mantêm críticas e pedem que Executivo reconsidere decisão
12 de abril de 2019

Pelo segundo dia consecutivo, o debate na Câmara de Vereadores de Caxias do Sul foi pautado pela determinação do Executivo em retirar as bancas de revistas e jornais de áreas públicas. Ao tratar do assunto, o vereador Eloi Frizzo/PSB afirmou que as bancas são tradicionais e fazem parte do cotidiano. Para ele, o Executivo age com autoritarismo.

Conforme Frizzo, o governo deveria ter conversado com os proprietários das bancas para depois determinar a remoção e defendeu a realização de licitação pública para a regularização. Contudo, disse que há problemas mais graves para serem discutidos. “Nenhum prefeito quis fazer por isso. Mas isso daí é um contrassenso. Eu dizia que era o tal do negócio do quero-quero. Bota os ovos aqui e canta lá para não mexer nos ovos que estão aqui. Este prefeito sofre de síndrome de quero-quero. Qual é o objetivo que vislumbro por trás desse tipo de decisão, que faz com que a gente repercuta na Câmara? Os problemas na saúde são gravíssimos. Estamos com três postos de saúde prontos e não inaugurados, com o inverno chegando, e o Postão fechado. Então, é um governo de discurso, de vento, que tem uma prática desastrosa”, assinalou.

O QUE DISSERAM...

ADILÓ DIDOMENICO/PTB

“Ele [Daniel Guerra] apenas está pondo em prática aquilo que fez e prometeu na campanha, totalitário, solução para tudo. Só que a solução dele não dialoga com a comunidade. Esse quesito banca é a polêmica de número 173. E não coloquei a polêmica que ele criou com a Amesne, constrangendo o prefeito Waldemar De Carli e todos os colegas aqui da região, onde ele os chutou, dizendo que cada município que se vire com os seus problemas. Ele é absoluto, ele tem solução para tudo”.

GUSTAVO TOIGO/PDT

“Colocar toda uma administração para ter uma atitude como essa, autoritária, sem uma negociação plausível, sem chamar os interessados. Faltou bom senso. É uma atitude que vai contra as liberdades democráticas e atenta contra o princípio do acesso à informação, contra a liberdade de imprensa. Nós precisamos reverter isso, a administração precisa chamar os donos dessas bancas e fazer uma negociação a altura do serviço importante que eles prestam à comunidade”.

RAFAEL BUENO/PDT

“A Prefeitura disse que iria retirar a banca da Ana para construir um módulo da Guarda Municipal. Qualquer pessoa que circular na praça vai visualizar um módulo da Guarda, que não está funcionando, servindo de depósito de caixas. Então, quer botar um módulo, mas as câmeras, que ao olho vivo da cidade, não funcionam. Já tem o módulo. A presença da Guarda não é efetiva no local. Estão agredindo idosos nos banheiros das praças porque não tem a presença da Guarda”.

EDSON DA ROSA/MDB

“Tem vidas, tem organização familiar em volta disso tudo, e agora vai ter uma audiência de conciliação. Esse é o problema, primeiro se judicializa para depois ter a conciliação? Não se envolve as pessoas que estão no assunto para tentar achar um termo comum. Então, é isso que, aqui na Câmara, estamos fazendo fortemente desde quinta-feira passada. Trouxeram para cá essa demanda. Não podemos deixar fechar as bancas”.