Exoneração de Adriana Antunes não foi política

Política

13 de novembro de 2017 às 11:55 hr
Texto
-a
+a

Adriana Antunes pediu exoneração do cargo de secretária municipal de Cultura ao prefeito Daniel Guerra (PRB), nesta quinta-feira (9). Segundo ela, o pedido não tem nenhum caráter político, apenas pessoal e profissional. Ela deverá voltar à vida acadêmica, onde pretende dar continuidade aos trabalhos de pesquisa.

Em entrevista à Rádio Caxias e Folha de Caxias, a jornalista e escritora revelou que deixou o cargo para cuidar da vida pessoal e de projetos profissionais. “Ao terminar a Feira do Livro e finalizando o início da ocupação da Maesa, olhei para mim mesma, enquanto ser humano, artista e fui conversar com o prefeito. Agradeci a experiência de vida que ganhei neste período. Mas o que poderia contribuir para a cultura, como secretária, fiz até aqui”, explicou.

BODE EXPIATÓRIO - Boatos chegaram a correr no meio político, aliando o pedido de exoneração ao caso do bailarino Jair Medina, da Cia. Municipal de Dança, confundido como psicótico e abordado pela Guarda Municipal, na Praça João Pessoa, contido com camisa de força e levado ao Postão 24 Horas e sedado por oito horas, segundo testemunhas. Adriana disse que eles não têm fundamento. “Nada tem a ver com isso, pois era uma decisão tomada há algum tempo. As especulações são boas, porque agora se pode falar a respeito delas. Internamente, avaliamos se realmente a população de Caxias está preparada para uma apresentação como aquela. O que precisamos fazer para que a sociedade entenda o que é uma dança contemporânea. A gente vê uma cidade imediatista que quer sempre encontrar um culpado, um bode expiatório”, afirmou.

EXPERIÊNCIA PÚBLICA - Para Adriana Antunes, trabalhar no serviço público com a crise financeira foi bastante difícil. “A diretriz do governo são as áreas prioritárias, aí fica mais difícil. Entretanto, conseguimos fazer as coisas acontecerem. Agora, talvez seja a hora de entrar outra pessoa, com visão diferente sobre a cultura”, ressaltou.

A ex-secretária avaliou a passagem pelo serviço público, do qual diz levar um legado de muito trabalho e aprendizado. “Dizem que servidor público não trabalha, mas tive a oportunidade de estar ao lado de pessoas muito comprometidas com a arte. Levo daqui também a experiência de administradora, que não se aprende na faculdade. Levo muito conhecimento do serviço público”, avaliou.

 

Prefeito nomeia secretário interino

 

Em nota, na manhã desta sexta (10), o prefeito Daniel Guerra informou ter acatado o pedido de exoneração de Adriana Antunes. “É natural que profissionais de tamanha competência sejam despertados para novos desafios. Ao mesmo tempo em que lamentamos a perda dessa grande profissional, temos gratidão por todo trabalho executado na Secretaria Municipal da Cultura e a certeza do sucesso que terá na nova caminhada”, disse.

O chefe do Executivo também nomeou Joelmir da Silva Neto como secretário interino. Servidor público concursado há 13 anos, cursa Gestão Pública e trabalha a cinco anos na secretaria, onde atuou nas áreas de arte e cultura popular, financeira e nos pontos de cultura. Em janeiro, foi nomeado por Adriana para o cargo de diretor de projetos e, desde agosto, era diretor administrativo.

Silva Neto disse que a meta é continuar o trabalho de Adriana Antunes, principalmente, a ocupação da Maesa. “Agradeço a confiança do prefeito e da sua equipe. Vou trabalhar por uma cultura acessível a toda a população, utilizando a experiência que adquiri nesses anos dentro da Secretaria”, disse. O interino assume com a responsabilidade de lançar o edital do Financiarte 2018. Ele disse que o valor deverá ser reduzido, tendo em vista a crise financeira do Município. Uma reunião no dia 20 de novembro deverá acertar os detalhes do lançamento do edital.

« Voltar