Em dois anos de governo, mais de R$ 1,3 milhão gasto em diárias

Política

08 de fevereiro de 2019 às 12:31 hr
Texto
-a
+a

Pagas com dinheiro público a título de ressarcimento, as diárias são concedidasa servidores dos órgãos da administração pública para cobrir despesas de alimentação, hospedagem e locomoção urbana em compromissos fora do município, estado ou país. Na última década, com o aumento da transparência - determinada pela lei complementar 131/2009 - todos os municípios tiveram que tornar públicas as suas despesas e receitas. A medida possibilita que a sociedade e órgãos fiscalizadores fiquem atentos à movimentação financeira nos cofres públicos, assim evitando a corrupção e exigindo o emprego adequado dos recursos.

Entendendo a importância do assunto, o Jornal Integração realizou um levantamento completo das despesas com diárias que Canela e Gramado tiveram nos primeiros dois anos das atuais administrações. Os dados e informações aqui apresentados são públicos e estão disponíveis no Portal de Transparência dos municípios. Para encontrá-los basta acessar os sites www.canela.rs.gov.br e www.gramado.rs.gov.br. Confira os gastos de cada agente político nas tabelas na galeria de imagens.

Em dois anos, Canela e Gramado gastaram juntas um total de R$ 1.330.079,50em diárias. Desse montante, R$ 623.797,45 são despesas do município gramadense - pagos a servidores e agentes políticos da Prefeitura, Gramadotur e Câmara de Vereadores. Os outros R$ 706.282,05 competem a gastos da Prefeitura de Canela e seu Poder Legislativo.

 

Gramado gasta R$ 566 mil

No período foram gastos R$ 566 mil em diárias durante compromissos fora da cidade - R$ 421 mil por servidores municipais e R$ 145 mil em despesas de agentes do primeiro escalão gramadense (prefeito, vice-prefeito, secretários e procurador geral). O prefeito João Alfredo Bertolucci (PDT) lidera o ranking de maiores gastos ao receber R$ 118 mil – equivalente a 82% de todos os gastos dos políticos do primeiro escalão.

Dentro do território nacional, Fedoca registra inúmeras viagens para compromissos em Brasília, além de participar de eventos em outros três capitais: Curitiba, São Paulo e Recife. Durante seu mandato, o prefeito também viajou duas vezes para o exterior. A primeira delas foi para o Uruguai. Porém, sua viagem mais cara foi para o Canadá, quando utilizou mais de R$ 28 mil em dez dias – despesas pagas com recurso livre da Prefeitura.

Por outro lado, três integrantes do primeiro escalão não registraram nenhuma despesa com diárias ao longo dos últimos dois anos. Os mais econômicos no governo gramadense foram o vice-prefeito Evandro Moschen e os secretários municipais Flávio de Souza (Obras) e Júlio Dornelles (Administração). Na Autarquia Municipal de Turismo (Gramadotur), o maior gasto ficou com o presidente Edson Néspolo, que recebeu R$ 16 mil em dois anos.

 

Canela utiliza R$ 685 mil

A atual administração canelense gastou ao todo R$ 685 mil em diárias. Foram R$ 262,8 mil em despesas do primeiro escalão do governo e R$ 422,8 mil dos outros servidores municipais. Os agentes políticos que mais gastaram foram o prefeito Constantino Orsolin (MDB) com R$ 89,5 mil, acompanhado pelo secretário de Turismo e Cultura, Ângelo Sanches, que recebeu R$ 86,4 mil – muito em razão da participação canelense em eventos para divulgar a cidade como destino turístico.

Entres os seus compromissos nos últimos dois anos, Sanches viajou 55 vezes dentro do território gaúcho e 25 vezes para outros estados. Sob a incumbência de elevar Canela como destino turístico, o secretário também cumpriu agenda em feiras de turismo no exterior. Na América do Sul ele viajou para Montevideo (Uruguai), Buenos Aires (Argentina) e Assunção (Paraguai). No entanto, sua viajem mais cara foi para a França, onde apresentou a Lei Canela do Futuro em um renomado evento do mercado imobiliário. Na oportunidade foram gastosR$ 7,1 mil por onze dias em Paris.

Ângelo Sanches avalia que as diárias utilizadas foram um importante investimento, destacandoos resultados que as viagens trouxeram para Canela. Conforme o secretário, as frequentes idas a Brasília foram necessárias para buscar recursos e defender o espaço do município no congresso nacional e governo federal. Desta forma, importantes verbas foram conquistadas, a exemplo do Prodetur, que possibilitou uma abertura de crédito de R$ 9,7 milhões para pavimentações. Além disso, o governo canelense também definiu que participaria das principais feiras de turismo na América Latina, visando divulgar a cidade como destino turístico.

“Só é visto quem aparece. A presença de um homem público representando a cidade nas feiras é muito importante, dá moral e credibilidade ao investidor, ao patrocinador e ao fomentador do turismo no Brasil. E foi notório que Canela se destacou no país e no exterior. Pegamos a cidade na categorização C no Turismo e em dois anos fomos elevados para a categoria A”, explica Sanches.

 

Vereadores de Canela e Gramado gastam R$ 31,8 mil em dois anos

Assim como os integrantes do Executivo, os vereadores também têm o direito de receber diárias para custear suas despesas fora do município. Em dois anos da atual legislatura, a Câmara de Canela gastou o total de R$ 20,5 mil. Entre os onze edis, apenas Emília Fulcher (MDB) e Jerônimo Terra Rolim (PSDB) não utilizaram o recurso. Na Câmara de Gramado, foram gastos R$ 11,2 mil neste período. Dos nove vereadores, quatro não gastaram com diárias: Professor Daniel (PT), Rafael Ronsoni (Progressistas), Renan Sartori (MDB) e Rosi Ecker (Progressistas).

Em Canela, quem mais gastou foi o vereador Carlos Oliveira (PDT) com R$ 5.897,00. Entre as suas despesas, Carlão viajou uma vez para Brasília e participou de cursos legislativos em Porto Alegre. Em Gramado, o vereador Luia Barbacovi (Progressistas) foi o que mais gastou com diárias, somando R$ 5.532,00 em despesas fora do município.

 

Texto: Gustavo Bauer/JIH

« Voltar