Leia Fácil

Economia

DISSÍDIO: Metalúrgicos entregam reivindicações

Trabalhadores solicitaram a realização de três encontros em junho
15 de maio de 2019 às 09:47
Foto: Uliane da Rosa, Divulgação

Representações dos sindicatos das indústrias e dos trabalhadores metalúrgicos de Caxias do Sul e região iniciaram, nesta terça (14), o processo de negociação da convenção coletiva de 2019, com data-base em 1º de junho. Dentre as reivindicações apresentadas pelos trabalhadores estão o reajuste acumulado da inflação nos últimos 12 meses, com acréscimo de aumento real; piso salarial de R$ 2.200 ou R$ 10 por hora de trabalho; e correção dos valores das cláusulas sociais tendo por base o novo valor do salário normativo.

O presidente do sindicato dos metalúrgicos, Assis Melo, apresentou estudo realizado com dados do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos e do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados que aponta a rotatividade como responsável pelo achatamento dos salários em mais de 18% nos últimos 12 meses, chegando a 33% ao longo dos últimos seis anos. "Estamos acompanhando o crescimento das empresas, que noticiam seus lucros e receitas. Se as empresas têm lucro, nada mais justo que garantir ganho real aos trabalhadores. Este resultado decorre da mão de obra qualificada dos metalúrgicos da região. Esperamos pela sensibilidade dos patrões para termos uma negociação com resultados positivos para Caxias”, defendeu.

O presidente do sindicato empresarial, Reomar Slaviero, adiantou que a pauta será analisada para posterior início de entendimento. “A negociação que se inicia pede cautela e bom senso, buscando preservar trabalhadores e empresas. É importante manter um clima de diálogo recíproco e de alto nível durante toda negociação”, ponderou. A convenção envolve 3.053 empresas e 48.145 trabalhadores dos municípios de Caxias do Sul, Farroupilha, Flores da Cunha, Garibaldi, Nova Pádua, Nova Roma do Sul e São Marcos.