Caxiense desaparecido foi morto a facadas e suspeitos do crime são presos

Polícia

05 de maio de 2016 às 10:16 hr
Texto
-a
+a
A busca angustiante de cerca de cincos dias, terminou com um desfecho trágico na manhã de quarta-feira (4). A Polícia Civil localizou no interior do município de Taquari, por volta das 7h, o corpo de Geremias Pinto Lopes, 40 anos, caxiense desaparecido desde sexta-feira (29), quando saiu por volta das 22h30, de uma janta na empresa onde trabalha nas margens da BR-116, no bairro São Ciro, em Caxias do Sul. O laudo preliminar da perícia e detalhes do rastreamento dos celulares apontou que a vítima foi morta a facadas ainda no sábado (30). 
 
Conforme o Delegado Mário Mombach, titular da Delegacia Especializada em Furtos, Roubos, Entorpecentes e Capturas (Defrec), o casal suspeito de cometer o crime apresentou um álibi, mas as provas já são suficientes para sustentar a acusação contra eles. A vítima possuía dois celulares, um deles permaneceu com a vítima que pediu socorro e facilitou o rastreio.
 
Ainda segundo Mombach, o casal suspeito de matar Geremias fez compras com os cartões de crédito da vítima. Eles utilizaram em uma farmácia, em passagens de ônibus, refeições e na compra de um celular no valor de R$ 1,5 mil. A dupla tentou efetuar um saque em uma agência do Bradesco no município de Venâncio Aires, mas foram barrados pela identificação biométrica. O veículo de Geremias, um Prisma já tinha sido localizado na terça (3), também em Taquari, sem sinais de arrombamento, mas com marcas de sangue no interior.
 
 
Motivação ainda é desconhecida
 
O momento em que Geremias foi capturado pelo casal ainda é desconhecido dos investigadores, já que os suspeitos apresentaram depoimentos diferentes. Após ser capturado pelo casal de criminosos, Geremias foi colocado no porta malas de seu veículo e do local mandou uma mensagem de texto para um amigo.
 
“Em princípio o crime partiu de uma abordagem aleatória. Mas não vou descartar uma premeditação ou relação entre eles”, comenta o delegado.
 
Na coletiva de imprensa prestada na tarde de ontem, Mombach salientou o aspecto rudimentar e inexperiente dos criminosos que usaram uma faca para matar Geremias. 
 
O casal foi localizado e preso em um condomínio de Taquari. Eles deram um dos celulares da vítima para familiares e a partir disso foram localizados pela polícia. Na abordagem na residência, o suspeito do crime tentou resistir a prisão.
 
A dupla terá o nome preservado por estar em prisão temporário de 30 dias, mas segundo Mombach, o casal está possivelmente envolvido em outros crimes com a mesma atuação praticada com Geremias.
 
A investigação busca imagens dos estabelecimentos comerciais onde os criminosos estiveram e depoimentos de testemunhas dos locais em que eles fizeram compras.
 
O casal deve permanecer preso na Penitenciária Industrial de Caxias do Sul (Pics) até a conclusão do inquérito, quando será requisitada a prisão preventiva.
 
 
MAIS INFORMAÇÕES SOBRE O CRIME
 
LOCALIZAÇÃO DO CORPO
 
Por meio de um sistema de rastreamento de celulares usado pelos órgãos de segurança pública, a Defrec teve como localizar pontos onde os celulares de Geremias estiveram. Um dos locais, conforme o delegado Mombach, já havia sido revisado pela Brigada Militar, porém o corpo foi encontrado próximo de lá, em uma área de árvores replantadas próximo ao trevo da BR-287 em junção a ERS-436.
 
 
PEDIDO POR SOCORRO
 
Geremias enviou um pedido de socorro a um amigo. A primeira mensagem foi às 23h07, onde ele dizia estar saindo da janta da empresa. Mais tarde, às 00h54 ele escreveu novamente para o amigo e quatro minutos enviou uma nova mensagem pedindo socorro.
 
 
IRMÃO DA VÍTIMA DIZ NÃO HAVER RAZÃO PARA O CRIME
 
O irmão de Geremias Pinto Lopes, compareceu a delegacia no momento da chegada do casal de supostos autores do latrocínio de seu irmão. Elias Lopes falou sobre a dor e a dificuldade de enfrentar o momento. “A gente nunca espera um desfecho desse. Tinha a esperança de encontrar meu irmão vivo. Não aconteceu, mas pelo menos temos o trabalho dos policiais. Por eles temos a certeza de que já estão presos e serão responsabilizados por isso, isso da uma pequena parcela de alívio”, desabafou Elias.
 
O irmão da vítima afirmou que não havia nenhuma razão que poderia motivar a morte de Geremias. “Ele não tinha motivo pra ser morto. Ele era um cara do bem. Não tinha nada pendente com ninguém. Eles podiam ter batido nele, roubado ele, mas não tem um porque pra isso (assassinato)”, disse o irmão de Geremias.
 
 
DESPEDIDA
 
Geremias Pinto Lopes era natural de Porto Alegre, e atualmente trabalhava como Técnico de Segurança do Trabalho em uma indústria da cidade. Ele morava em Caxias há 13 anos em Caxias do Sul. Em 2009, estudou e trabalhou por um perídio nos Estados Unidos.
 
Em seu perfil no Facebook, familiares e amigos deixaram mensagens de despedida. Atualmente, Geremias era pré-candidato a vereador pelo partido PROS.
 
 
TRABALHO EXAUSTIVO
 
As últimas 72 horas de buscas e depoimentos realizados pelos investigadores da Defrec, renderam a todo momento detalhes que contribuíram para a prisão do casal. O delegado salientou o trabalho de alto nível realizado pelos policiais e disse foram poucos os momentos de descansos nos últimos três dias. “Os esforços foram indispensáveis para a busca dos autores deste crime. Foi para nós, um recorde de arrecadação de informações em um período tão curto”, destacou o delegado.
 
 
Crédito das fotos 1 e 2: Paulo Pasa
 
Crédito da foto 2: Defrec, Divulgação
« Voltar