APARTE

Política

16 de abril de 2018 às 12:35 hr
Texto
-a
+a

Ao contrário dos dois primeiros, o terceiro pedido de impeachment do prefeito Daniel Guerra/PRB irá a plenário, nesta segunda-feira (16). Os anteriores não chegaram nem mesmo a serem admitidos pelos vereadores. O parecer emitido pela Comissão Processante, integrada pelo relator Eloi Frizzo/PSB, revisor Velocino Uez/PDT e presidente Edson da Rosa/PMDB, é pela improcedência das sete denúncias de infrações político-administrativas, crimes de responsabilidade e atos de improbidade administrativa. Guerra foi notificado no início da noite desta quinta-feira (12) sobre a sessão extraordinária de julgamento do parecer, marcada pelo presidente da Câmara, vereador Alberto Meneguzzi/PSB.

 

QUESTÃO DE TEMPO

 

Os trabalhos da sessão extraordinária começarão às 8h30 e não têm hora para terminar. Isso porque os vereadores terão o tempo de duas horas para se pronunciar, caso se inscrevam. Cada vereador pode falar até, no máximo, 15 minutos. Já o defensor do prefeito, Heron Fagundes, poderá ocupar até as mesmas duas horas para sustentar a tese da defesa, que será a mesma do parecer final. Somente depois de concluída a etapa dos pronunciamentos é que será iniciada a votação. Ela será nominal. Neste caso, o presidente da Casa também tem direito a votar. O resultado final somente será proclamado no final de todas as sete votações. Caso uma das denúncias tenha o parecer revertido e seja aprovada pelo plenário, o prefeito terá o mandato cassado.

 

QUESTÃO DE NÚMEROS

 

Mesmo antes de sair o parecer pela improcedência das acusações, que foram apresentadas por 29 cidadãos e entidades de Caxias do Sul, Daniel Guerra já possuía, pelo menos, oito votos a favor. Dois eram da bancada de situação – Chico Guerra/PRB e Renato Nunes/PR. Do bloco de oposição, três partidos se declararam contra o impeachment antecipadamente: PCdoB, de Renato Oliveira; PT, de Rodrigo Beltrão e Denise Pessôa; e PSD, de Kiko Girardi. Além deles, o mandatário também tinha, extraoficialmente, os votos de Neri O Carteiro/SD e Arlindo Bandeira/PP.

Os demais partidos não chegaram a declarar posicionamento, mas a tendência é conhecida. Na sessão de terça-feira (10), o vereador Edi Carlos Pereira de Souza/PSB abriu voto de concordância com o parecer. Quem já disse em alto e bom tom que vai votar contra o parecer é Rafael Bueno/PDT. O parlamentar é um dos maiores opositores do chefe do Executivo no Parlamento. Contudo, uma só andorinha não faz verão. A tendência é de que os demais colegas votem pela improcedência das denúncias.

 

QUESTÃO DE SEGURANÇA

 

O presidente da Câmara de Vereadores, Alberto Meneguzzi e o diretor-geral da Casa, Rodrigo Weber, se reuniram, nesta sexta-feira (13), com o secretário municipal de Segurança Pública e Proteção Social, Clóvis Pacheco, representantes da empresa de vigilância privada e da Brigada Militar para definir como será a segurança da sessão extraordinária. Ficou acertado que a Guarda Municipal ajudará na fiscalização do acesso ao plenário. Já a segurança privada terá quatro profissionais, que ficarão distribuídos nos acessos de servidores e portas secundárias. O lado externo do prédio será policiado pela Brigada Militar, com a participação de militares do Setor de Inteligência e um grupo de choque ficará de sobreaviso para qualquer necessidade.

Tendo em vista Pacheco ter negado a possibilidade de a Guarda Municipal atuar na área interna da sessão sem a autorização do prefeito Daniel Guerra, o presidente Meneguzzi enviou ofício ao Executivo. No documento, ele pleiteia que os guardas sejam autorizados, se solicitados pela Mesa Diretora, a entrar no plenário em caso de ocorrência de imprevistos.

 

IN LOCO OU AO VIVO?

 

Somente 170 cidadãos poderão acompanhar, das galerias do plenário Nadyr Rossetti, a sessão extraordinária de votação do impeachment de Daniel Guerra. Eles ainda terão que dividir espaço com a imprensa. Quem quiser garantir um lugar para ver de perto os trabalhos, possivelmente, deverá enfrentar fila. Não se pode avaliar se haverá grande movimento, pois o parecer pela improcedência deverá desmotivar quem aguardava por uma sessão mais emocionante e de muita oratória. Quem preferir acompanhar de longe a sessão terá cinco opções: TV Câmara Caxias - canal 16 da NET, site www.camaracaxias.rs.gov.br, YouTube, no canal TV Câmara Caxias, Facebook, na fanpage Câmara Municipal de Caxias do Sul, e pelo twitter, no @camaracaxias.

 

« Voltar