Política

APARTE

Em uma sessão marcada por poucas declarações polêmicas, nesta terça (2), o vereador Adiló Didomenico/PTB fez alguns comentários a respeito da gestão
03 de abril de 2019

Em uma sessão marcada por poucas declarações polêmicas, nesta terça (2), o vereador Adiló Didomenico/PTB fez alguns comentários a respeito da gestão municipal. Entre eles, sobre o Gabinete Itinerante do prefeito Daniel Guerra/PRB. Segundo o parlamentar, mais um palanque eleitoral do que uma ação de cidadania. “Daí 15, 20 dias antes é uma correria para mapear as demandas para o prefeito ir lá, fazer o discurso daquilo que o povo está precisando. Sai de lá ovacionado. Vira as costas, não acontece nada. Essa é a característica deste governo”. Ainda conforme Adiló, há uma determinação do Executivo para não atender mais demandas dos vereadores. “Aí, eu acho que a coisa tem que ser conversada, porque já é uma afronta à Lei Orgânica do Município”. De acordo com o petebista, os vereadores encaminham somente pedidos da comunidade.

A CANETA DO GESTOR

Como dizem vereadores, como o próprio Adiló Didomenico, quem tem a caneta na mão é o prefeito Daniel Guerra. Sendo assim, a sanção ou veto da lei aprovada na sessão desta terça para a divulgação da fila de espera do atendimento especializado de saúde agora depende deste artefato, mais ainda da concordância do chefe do Executivo e de um parecer da Procuradoria-Geral do Município. Em caso de veto, a possibilidade dele ser derrubado é a mesma do placar da votação ou ter dois votos pelo acolhimento, dos vereadores de situação, Elisandro Fiuza e Tibiriçá Maineri/PRB.

LEIS TRABALHISTAS

O presidente da Câmara de Indústria, Comércio e Serviços de Caxias do Sul (CIC), Ivanir Gasparin, e o vice-presidente de Indústria, Mauro Bellini, participam de agenda, nesta quarta (3), em Brasília, com o secretário de Trabalho do Ministério da Economia, Bruno da Silva Dalcolmo. O objetivo é reivindicar a revogação de instruções normativas e normas regulamentadoras da atual lei trabalhista. Os empresários entregarão um documento contendo os principais pontos, que serão debatidos na audiência com Dalcolmo. A audiência foi intermediada pelo senador Luis Carlos Heinze/PP. Também participam representantes das federações das Indústrias, da Agricultura, das Entidades Empresariais e do Arroz.

AO CAMPO O QUE É DO CAMPO

O vereador Velocino Uez/PDT foi à tribuna da Câmara, na sessão desta terça (2), para cobrar mais empenho do Executivo para com a zona rural de Caxias do Sul. O problema mais grave, segundo ele, é a manutenção das estradas e o atendimento do transporte escolar a estudantes. “Estou cético. Será que, quanto mais falo dos problemas, a administração está levando em conta?”, questionou. Como exemplo, citou uma estrada da 4ª Légua, que teria recebido melhorias apenas uma vez em um ano e meio. “Os agricultores precisam ficar mendigando por um transporte escolar aos filhos, sendo que já há esse direito. Tem situação em que os alunos sempre tiveram esse transporte e, agora, deixaram de ter. Além disso, há casos de famílias em que um filho entra na van e o outro, não”, salientou.

MEMÓRIA DE UM COMUNISTA

O vereador Rafael Bueno/PDT recebeu, na tarde desta terça (2), a visita de Cleia Pizzetti, uma das filhas do ex-vereador Luiz Pizzetti, que morreu no dia 25 de dezembro do ano passado. Ela foi ao gabinete dar de presente ao pedetista a cópia de uma das cartas do ex-presidente Getúlio Vargas a Pizzetti, que se filiou ao Partido Comunista Brasileiro, em 1954, ano do suicídio de Vargas. Bueno agradeceu o presente e destacou a amizade que cultivava com Pizzetti. "Uma pessoa que muito me incentivou na política e a quem devo muito. Merece todas as nossas homenagens sempre", afirmou.