APARTE

Política

12 de fevereiro de 2019 às 12:25 hr
Texto
-a
+a

O novo líder da bancada governista no Legislativo, vereador Elisandro Fiuza/PRB, se mostra otimista pela rejeição da denúncia de impeachment contra o correligionário, o prefeito Daniel Guerra. Segundo o parlamentar, não há provas que sustentem os argumentos de Ricardo Fabris de Abreu contra o chefe do Executivo. Ele acredita que os colegas vereadores votarão pelo que considera bem da comunidade de Caxias do Sul. Desta forma, conforme Fiuza, não há necessidade de a bancada situacionista empreender uma estratégia para tentar evitar que a admissibilidade do pedido seja aprovada em plenário. “Não haverá estratégia nenhuma, porque não existe nada de forma alguma diante do pedido de impeachment que venha a acusar o prefeito Daniel Guerra. Estaremos de uma forma bem conscientes, fazendo a defesa, com a certeza absoluta de que a população espera: que nós, vereadores, sejamos responsáveis, independentemente de nossas ideologias partidárias e entender aquilo que é correto”, justificou.

 

PT VOTA CONTRA...

 

Enquanto a bancada governista está coesa pelo voto Não e otimista quanto à rejeição da admissibilidade do pedido de impeachment, os partidos de oposição manifestam votos divergentes. Daniel Guerra precisa de oito votos contrários à admissão para arquivar o processo. Dos 12 partidos com bancada na Câmara de Vereadores, dois abriram voto contra a denúncia. O primeiro deles foi o PT. O partido lançou nota oficial, no dia 4 de fevereiro, na véspera da primeira agenda votação. Conforme o líder da bancada, Rodrigo Beltrão, embora reconhecendo a legitimidade da representação, os fatos narrados não configuram crime de responsabilidade. Mesmo assim, o PT se mantém em oposição ao atual governo caxiense. “Isso não significa um voto a favor do governo. Diferentemente do atual prefeito, que muda sua visão e a sua palavra de quando era vereador e agora é prefeito, nós primamos por ter uma coerência política. Então, nesse caso, votaremos pela estabilidade democrática. As denúncias devem ser investigadas e, caso confirmado o crime de responsabilidade, o Ministério Público pode denunciar, sem prejuízo de ocorrer qualquer impunidade”, afirmou.

 

... E PCdoB ACOMPANHA

 

Tradicional companheiro ideológico do PT – e até porque foi contra o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff - o PCdoB também votará contra a representação de Ricardo Fabris. De acordo com o líder da bancada, vereador Renato Oliveira, as investigações sobre as denúncias não são de competência do Legislativo. “Se tiver apontamentos, que eles sejam feitos pelo Ministério Público. Esse pedido poderia ter sido mais bem direcionado. Entendemos que daqui um ano e pouco tem eleição de novo e, se a população reprovar essa administração, que em nossa opinião é desastrosa, ela tem o poder do voto para decidir se ele [Daniel Guerra] fica ou não”, justificou.

 

AMBULANTES PREOCUPAM LOJISTAS

 

O presidente da Câmara de Vereadores de Caxias do Sul, Flavio Cassina/PTB, recebeu, na manhã desta segunda (11), a visita da presidente do Sindicato do Comércio Varejista de Caxias do Sul (Sindilojas), Idalice Manchini, e da coordenadora de Comunicação, Lisandra de Bona. A intenção foi levar ao Legislativo a preocupação dos lojistas com o comércio ambulante e a poluição visual no Centro da cidade. A diretora-geral, Grégora Fortuna dos Passos, e o chefe da Assessoria de Comunicação Social, Zoraido Silva, participaram da reunião.

 

« Voltar