“Uma luz em dias sombrios”, uma história de superação

Cidades

09 de fevereiro de 2018 às 08:00 hr
Texto
-a
+a

Ressaltar a importância da fé para superar momentos difíceis. Este é o conteúdo do livro “Uma luz em dias sombrios”, escrito por Ana Cláudia Rodrigues de Almeida, 13 anos. Em 2013, ela foi diagnosticada com o tumor cerebral meduloblastoma. Para divulgar sua obra ela estará na livraria da Joce, localizada na rua João Monteiro, 1818, bairro Serrano, em frente a igreja Assembleia de Deus, hoje, das 14 às 17h, e sábado (10), das 9 às 12h e das 14 às 17h.

Conforme a mãe de Ana, Odete Rodrigues de Almeida, a escrita foi uma forma de incentivar a comunicação da menina durante os tratamentos de quimioterapia e de radioterapia, que os deixava muito fragilizada. “Todos os momentos que a minha filha passou nestes cinco anos serviram de inspiração para que esse livro se tornasse realidade. Quando recebemos o diagnóstico da doença, o médico informou que ela tinha apenas 1% de chance de vida. Após uma cirurgia, ela ficou 25 dias na UTI em coma. Por isso que estes dois dias, divulgando o livro, têm uma grande representatividade em nossa família. Queremos passar para as pessoas uma mensagem de esperança. Que ninguém desista da vida, mesmo quando as chances são mínimas”, ressaltou.

No local, além das sessões de autógrafos e venda da obra, que pode ser adquirida por R$ 30, a escritora irá sortear diversos brindes artesanais que ela mesma confecciona. Para crianças e adolescentes, que levarem um incentivo, algo que a estimule continuar escrevendo, será feito um sorteio separado, contento uma pasta personalizada e um livro. Todo o montante arrecadado com a venda dos exemplares servirá para custear despesas de tratamento de saúde, dentários e implante de cabelo que Ana necessita. Ela recebe acompanhamento de 14 médicos. O gasto mensal com exames, medicamentos e consultas, não baixa de R$ 600 mensais, podendo chegar a R$ 1.400,00. “Em janeiro, nós utilizamos R$ 300 adquiridos com a venda de livros, para suprir uma consulta com um especialista de cabelos, o qual o nosso plano de saúde não cobria. Temos também que quitar R$ 800 da impressão dos 2 mil exemplares.”

Desde que Ana ficou doente, Odete salientou que nunca mais arrumou emprego. Ela argumenta que ninguém quer contratar uma mãe que tem que sair de duas a três vezes por semana para levar a filha ao médico. “Então, tem algumas coisas que ainda não conseguimos dar para ela, como um computador. Todos os textos que ela escreve são em cadernos. O próprio livro que estamos lançando foi para a gráfica no caderno”, relembrou.

Ana irá cursar em 2018 o sétimo ano do ensino médio, na EMEF Jardelino Ramos.  E já está escrevendo o seu segundo livro, que tem como tema a história de uma menina que não quer entrar na adolescência. “Ela também tem o plano de montar uma orquestra de adolescente s para tocar em asilos e hospitais. Para que as pessoas que estejam internadas não passem o que ela passou. Durante os 40 dias em que ela ficou hospitalizada, nunca recebeu visitas de alguém fazendo brincadeiras, ou tocando músicas”, frisou.

No dia 17 deste mês, Ana estará lançando o seu livro na cidade de Restinga Seca. E no dia 10 de março, juntamente com uma apresentação musical, a sessão de autógrafos será na Livraria do Maneco.

 

« Voltar