Economia

“Reforma não é boa, mas extremamente necessária”

Presidente da Federasul convocou classe empresarial para mobilizar-se em torno da aprovação da PEC da Previdência
30 de abril de 2019 às 12:44
Foto: Julio Soares/Objetiva, Divulgação

A ênfase dada pela presidente da Federasul, Simone Leite, palestrante da reunião-almoço da Câmara de Indústria, Comércio e Serviços de Caxias do Sul (CIC), nesta segunda-feira (29), demonstra a preocupação da dirigente com a estabilidade econômica e investimentos em políticas públicas se não houver a Reforma da Previdência. “É por meio desta reforma que vamos colocar a economia do Brasil nos trilhos”, afirmou.

De acordo com Simone, o atual sistema previdenciário produz injustiça social, uma vez que as regras aplicadas aos trabalhadores com menores salários são mais duras do que as de quem recebe mais e, por isso, não querem abrir mão de privilégios. Além disso, os gastos do governo para cobrir o déficit da Previdência repercutem na falta de recursos para educação, saúde, segurança e infraestrutura.

Para apoiar a reforma, a Federasul elaborou uma campanha publicitária para ser utilizada pelas entidades filiadas em suas regiões de atuação, e que busca ser o contraponto a quem defende a Previdência como está hoje. A campanha traz como chamada principal sobre a foto de uma criança: “Ou quebramos os privilégios ou os privilégios quebram o Brasil”. Logo mais abaixo, em referência à criança: “Diga não à injustiça social. Diga sim à Reforma da Previdência.”

A dirigente empresarial também falou sobre a necessidade de maior engajamento e comprometimento da classe empresarial e dos formadores de opinião em apoio ao governo estadual nos projetos para privatizar estatais gaúchas. “Se não ocuparmos esse espaço, alguém vai ocupar. A cadeira nunca fica vazia”, aludiu a presidente da Federasul ao criticar a omissão e o silêncio de pessoas que negam a política ou que agem com individualismo, em detrimento do interesse coletivo. “Todas as decisões que impactam a nossa vida passam pela política”, lembrou.

Para Simone, a classe produtiva deve manifestar opinião, ocupar os espaços e trabalhar por um projeto de futuro. Condenou o fato de a maioria escolher alguém para representá-lo, seja na política ou nas entidades, e nunca mais participar, acompanhar, cobrar ou colaborar em decisões consideradas importantes para o interesse da sociedade. “Não dá para fugir da nossa responsabilidade”, afirmou, sugerindo que se fale mais sobre política nas famílias, dentro das empresas, entidades e clubes de serviço. “Precisamos ser protagonistas das mudanças de que o nosso estado e o nosso país precisam. Vamos sair detrás da mesa e arregaçar as mangas”, convocou.