Leia Fácil

Fernando Santos

APARTE

25 de abril de 2019 às 08:40

Garantia de metade do valor

 

No segundo dia da agenda em Brasília, a delegação composta pelo presidente da Frente Parlamentar em Defesa da Conclusão das Obras do Hospital Geral (HG), vereador Rafael Bueno/PDT, e o integrante Edi Carlos Pereira de Souza/PSB, além do diretor-financeiro, Gilberto Quissini, e do superintendente da instituição, Sandro Junqueira, obteve a promessa de, pelo menos, R$ 5 milhões em emendas parlamentares. Nesta quarta-feira (24), eles foram recebidos pelos senadores gaúchos Lasier Martins/Pode, Luis Carlos Heinze/PP e Paulo Paim/PT, e pela secretária estadual de Relações Federativas e Internacionais, a ex-senadora Ana Amélia Lemos/PP. Eles também estiveram no Ministério da Saúde, onde se reuniram com o secretário-executivo, João Gabbardo dos Reis (foto). Ainda na tarde desta quarta, a delegação expôs a situação do Hospital Geral para a bancada gaúcha na Câmara dos Deputados.

 

DEBOCHE SAIU PELA CULATRA

 

Quando a direção do Samae enviou as 10 caixas-arquivo de documentos para o vereador Eloi Frizzo/PSB não poderia imaginar que a considerada pegadinha com o Legislativo iria dar tanto pano para manga. Primeiro, porque junto foi o parecer da prestação de contas com a revelação de apontamentos do Controle Interno. Em segundo, porque o ato foi muito mal recebido pelos parlamentares. Em aparte a Frizzo, o vereador Adiló Didomenico/PTB disse: “Olhando para essas caixas, soa como um verdadeiro deboche a um pedido de informação desta Casa, e deve estar sobrando papel lá, talvez”. Fato também que, segundo Frizzo, vai gerar transtornos para, pelo menos, a um servidor da Câmara. “Quem vai se ferrar é o Moschen, que está na assessoria da comissão, e a assessoria como um todo dos demais vereadores que vão se debruçar sobre esses documentos”, ironizou. 

 

VELOCIDADE DE PASSARINHO

 

Foi de Eloi Frizzo outro momento irônico da sessão desta quarta-feira sobre os controladores de velocidade instalados próximo ao novo trevo de Fazenda Souza, na RSC-453. “Foi solicitada uma manifestação oficial da Casa com relação ao equipamento lá colocado, para que ele efetivamente passe a funcionar, e que não fique só com uma placa de sinalização, medindo a velocidade de passarinhos, de pessoas que passam por ali meio alcoolizadas, ou veículos que passem por aquele local”, ressaltou.